Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Revolucionários da esperança

· Um dia vivido com o Papa em nome da coragem e solidariedade ·

Foi um dia particularmente intenso o de sábado 10 de Maio para o Papa Francisco. Depois das audiências «habituais», realizadas em particular só com três cardeais, o Pontífice recebeu na Sala do Consistório os participantes na assembleia geral da Conferência italiana dos institutos seculares. Para eles uma entrega especial: ser revolucionários da esperança.

Aliás, a coragem revolucionária está no adn dos institutos seculares, porque, explicou num discurso improvisado – o texto preparado para a ocasião foi entregue aos presentes – tem raízes noutro «gesto revolucionário da Igreja», ou seja, a Provida mater Ecclesia de Pio XII. Evocando aquele período histórico, o Papa Francisco observou que «os institutos seculares constituem precisamente um gesto de coragem que a Igreja fez naquele momento». E a partir daquele momento «até agora é tão grande o trabalho que realizais na Igreja, com coragem, porque é necessário ter coragem para viver no mundo». Ao desejar que perseverem nesta atitude, exortou-lhes enfim a cultivar sempre a esperança, aliás a serem revolucionários da esperança.

Também no discurso preparado o Papa Francisco frisou a importância do papel que os institutos consagrados estão chamados a interpretar na missão daquela «Igreja dialogante», sobre a qual fala Paulo VI na Ecclesiam suam. A «vossa vocação» - lê-se no texto – torna-vos interessantes para qualquer homem» graças à ajuda «do amor de Deus» e se isto não acontecer é porque «sois distraídos». E, concluindo, convidou-os a ser «centelhas vivas daquela Igreja pobre em saída que eu sonho».

Mais tarde, na Sala Clementina, o bispo de Roma encontrou-se com os participantes no congresso internacional organizado pela fundação Centesimus annus pro Pontifice sobre o tema da ética na economia, e denunciou a mentalidade actual segundo a qual «a palavra “solidariedade” é incómoda, e até irritante. No ano passado eu disse-vos que para este mundo parecia um palavrão».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS