Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Respeito pelos compromissos em prol da paz na Ucrânia

· ​No Angelus o apelo do Papa Francisco depois da intensificação do conflito no leste do país ·

Preocupado pela intensificação do conflito na Ucrânia oriental, o Papa Francisco dirigiu às partes um novo apelo de paz, invocando o respeito pelos compromissos assumidos e pedindo «a ajuda das organizações e das pessoas de boa vontade» para responder «à emergência humanitária». No Angelus de domingo, 23 de Agosto, vigília da festa nacional ucraniana – que é celebrada todos os anos no dia da proclamação da independência ocorrida em 1991 – o Pontífice voltou a falar da difícil situação do país, onde nas últimas semanas se registrou um aumento dos combates. «O Senhor conceda a paz na Ucrânia» disse no final da oração, acrescentando: «Interceda por nós a Virgem Maria!».

Precedentemente Francisco, continuando as reflexões sobre o capítulo seis do Evangelho de João no centro da liturgia dominical, recordou a atitude dos discípulos que entraram em crise devido à mensagem exigente de Jesus. «Sempre – observou – as palavras de Jesus nos põem em crise, por exemplo diante do espírito do mundo, da mundanidade». Mas é o próprio Cristo quem oferece a chave «para superar as dificuldades», evocando a sua origem divina, indicando a acção do Espírito Santo e convidando a conformar-se com a própria escolha de fé.

«Jesus não faz descontos» afirmou o Papa, que repetiu a pergunta formulada pelo Senhor aos discípulos – «Quereis ir embora também vós?» – e aprofundou o sentido da resposta de Pedro: «Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna». Na realidade, explicou, a partir da pergunta do apóstolo «compreendemos que a fidelidade a Deus é questão de fidelidade a uma pessoa, com a qual nos unimos para caminhar pela mesma estrada. Esta pessoa é Jesus».

«Tudo o que temos no mundo – afirmou o Pontífice – não satisfaz a nossa fome de infinito. Precisamos de Jesus, de estar com ele, de nos nutrir na sua mesa, nas suas palavras de vida eterna! Crer em Jesus significa fazer dele o centro, o sentido da nossa vida». Com efeito, Cristo «não é um elemento acessório» mas «o alimento indispensável» para o homem. Daqui o pedido dirigido aos numerosos fiéis presentes na praça de São Pedro: «Façamos um minuto de silêncio e cada um de nós em silêncio, no seu coração, pergunte a si mesmo: “Quem é Jesus para mim?”. Em silêncio, cada um responda no seu coração». Depois, os votos finais: «A Virgem Maria nos ajude a “caminhar” sempre com Jesus para sentir a liberdade que ele nos oferece, e que nos permite purificar as nossas escolhas das incrustações mundanas e dos temores».

Angelus do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS