Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Reserva de ouro e prata

· ​Na audiência geral o Papa recordou que cada homem é precioso aos olhos de Deus ·

Cada homem «é precioso e único aos olhos de Deus». Aliás, mais: é «a sua “reserva de ouro e prata” pessoal igual ao que o rei David afirmava ter doado para a construção do templo». Francisco escolheu esta imagem evocativa para retomar na quarta-feira, 27 de Janeiro, as audiências gerais dedicadas à temática jubilar da misericórdia, relida à luz da Bíblia.

Com os fiéis presentes na praça de São Pedro o Papa aprofundou o trecho tirado do livro do Êxodo (2, 23-25) no qual o Senhor ouve o clamor do seu povo e estabelece uma aliança com ele. Consequentemente – recordou – a misericórdia divina «não pode permanecer indiferente diante do sofrimento dos oprimidos, do grito de quantos estão submetidos à violência, reduzidos à escravidão, condenados à morte». De resto, explicou o Pontífice, trata-se de «uma dolorosa realidade que aflige todas as épocas, inclusive a nossa, e que com frequência faz sentir impotentes, tentados a endurecer o coração e a pensar noutra coisa». Mas, observou Francisco, «Deus não é indiferente» e «nunca desvia o olhar da dor humana», e «cuida dos pobres, de quantos gritam o seu desespero», «suscitando homens capazes de ouvir o gemido do sofrimento e de agir em prol dos oprimidos».

Praticamente, frisou, «a misericórdia de Deus age sempre para salvar». E «é totalmente o contrário – acrescentou – da obra de quantos agem sempre para matar: por exemplo, os que fazem a guerra». Eis o convite neste ano santo extraordinário a «ser mediadores de misericórdia para aproximar, aliviar e promover a unidade». E porque «muitas coisas boas podem ser feitas», Francisco ofereceu também como de costume algumas sugestões práticas, dirigindo-se por exemplo às famílias nas quais há «irmãos que estão distantes e não se falam», com os votos de que se possam «encontrar, abraçar, perdoar e esquecer as situações desagradáveis».

Saudando no final os vários grupos linguísticos, o Papa exortou a participar na iniciativa promovida pelo Pontifício Conselho Cor unum: um dia de retiro espiritual quaresmal para as pessoas comprometidas no serviço da caridade em cada diocese.

Catequese do Papa  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS