Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Renunciar para servir

· O papel e o significado de um acto extraordinário, exercício mais elevado da função petrina na abnegação pessoal pelo bem da Igreja ·

Face aos poucos casos presentes na história de renúncias ao papado, a partir do século XII o direito e a teologia questionaram-se sobre a natureza de um acto extraordinário com reflexões diferentes  de acordo com as várias épocas históricas.

Uma decretal de Inocêncio III indicava as causas pelas quais a um bispo – e também ao Papa – era consentido renunciar, mas a matéria não foi disciplinada claramente pelo direito  até 1294, ano em que o Papa Celestino V renunciou, o qual emanou uma norma retomada do seu sucessor Bonifácio VIII ( Quoniam aliqui ), inserida no Sexto Livro (1298) e substancialmente acolhida pelo código de direito canónico em vigor. O debate suscitado pela renúncia daquele Papa, a primeira absolutamente voluntária na história,  surpreendeu além de teólogos e juristas, também os homens de cultura comprometidos na política, como Dante Alighieri, que na composição do seu célebre terceto da Comédia ( Inferno III, 58-60)  utiliza o termo vileza na óptica jurídica e teológica do seu tempo, como causa de insuficiência, reabilitando desse modo a humildade do gesto de Celestino.

Uma teologia do serviço e da humildade: a renúncia ao papado, portanto, é um evento excepcional, mas absolutamente coerente com a acção pastoral própria do ministério petrino, no momento em que o sumo pontífice exerce a própria vontade com um acto supremo de abnegação de si pelo bem da Igreja. A própria natureza da renúncia voluntária ao papado por motivo de insuficiência, própria da tradição canónica clássica, é o êxito mais coerente  da humildade e do serviço, baseado no modelo do  próprio Cristo, do qual  é chamado o seu vigário. O gesto de Bento XVI demonstra-o.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS