Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Recomecemos a partir de Deus

· No discurso à Conferência episcopal italiana Bento XVI indica o caminho pastoral para o nosso tempo ·

Para prosseguir juntos a renovação da Igreja iniciada pelo concílio Vaticano II

Voltar a falar no mundo de um Deus que «se tornou para muitos o grande Desconhecido». Esta é a «missão antiga e nova» indicada pelo Papa aos participantes na assembleia geral da Conferência episcopal italiana durante a audiência da manhã de quinta-feira, 24 de Maio na Sala do Sínodo. Para a cumprir – recordou o Pontífice – é necessário sobretudo uma decidida «renovação da qualidade da nossa fé e da nossa oração». Com efeito, a primeira condição para «falar de Deus» é «falar com Deus», comprometendo toda a própria vida «por aquilo que realmente é confiável, necessário e último». Por outras palavras, é necessário apostar «naquilo que é essencial da fé» para «oferecer uma resposta significativa às grandes transformações sociais e culturais do nosso tempo».

Nesta perspectiva, o Papa convidou os prelados a continuar juntos a «renovação eclesial que nos foi confiada pelo concílio ecuménico Vaticano II», cujas «indicações influentes, recomendou, devem ser aceites de maneira «dinâmica e fiel» na óptica daquela «hermenêutica da continuidade e da reforma», por ele mesmo sugerida no discurso dirigido à Cúria Romana no dia 22 de Dezembro de 2005.

De resto, para Bento XVI «a crise que atinge a Europa» é hoje essencialmente «espiritual e moral», razão pela qual «não são suficientes novos métodos de anúncio evangélico ou de acção pastoral». É necessário sobretudo – precisamente como fizeram há cinquenta anos os padres conciliares - «recomeçar a partir de Deus», deixando-se encontrar e arrebatar por ele «para ajudar todas as pessoas que encontramos a serem alcançadas pela Verdade». Objectivo que se propõe precisamente o Ano da fé, que terá início a 11 de Outubro próximo: um tempo para reconduzir os homens rumo «a um renovado encontro com Jesus», mostrando-lhes que «Deus é o garante e não o concorrente da nossa felicidade».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS