Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Quem sou eu?

· No domingo de ramos o Papa Francisco propõe a pergunta que deve guiar a reflexão dos cristãos na semana santa ·

«Quem sou eu?». É a pergunta que deverá guiar a reflexão dos cristãos nesta semana santa. O Papa Francisco apresentou-a ontem, 13 de Abril, domingo de Ramos, durante a celebração da missa presidida no adro da basílica vaticana, pronunciando uma homilia improvisada. E analisou as possíveis respostas à interrogação, propondo e actualizando os comportamentos de alguns protagonistas da narração evangélica da paixão.

«Esta semana – recordou o Santo Padre – começa com a procissão festiva com os ramos de oliveira: o povo inteiro acolhe Jesus. As crianças e os jovens cantam, louvando Jesus». E já se entrevêem a paixão de Jesus, o mistério da sua morte e ressurreição. Precisamente nesta óptica «far-nos-á bem – aconselhou o Papa Francisco – formular-nos apenas uma pergunta: quem sou eu? Quem sou eu diante do meu Senhor? Quem sou eu diante de Jesus que entra festivamente em Jerusalém? Sou capaz de exprimir a minha alegria, de o louvar? Ou afasto-me? Quem sou eu diante de Jesus que sofre?». Somos como aqueles que queriam matá-lo, perguntou, ou como Judas que o traiu por trinta moedas? Ou estamos «adormecidos» como os apóstolos «que nada entendiam»? Ou ainda nos comportamos «como os dirigentes que apressadamente fazem o julgamento e procuram falsas testemunhas», e quando fazemos estas coisas cremos que o fazemos pelo nosso próximo? Ou assemelhamo-nos a Pilatos e quando vemos que a situação está difícil lavamo-nos as mãos e para não assumir as nossas responsabilidades deixamos que as pessoas sejam condenadas?

O bispo de Roma prosseguiu, perguntando ainda se nos identificamos com quantos se divertiam a zombar do Senhor ou reconhecemo- nos no comportamento do Cireneu, «que voltava do trabalho, cansado, mas teve a boa vontade de ajudar o Senhor a carregar a cruz», ou com as mulheres corajosas, «como a mãe de Jesus», que estavam ali e sofriam em silêncio». Enfim, expressou os bons votos a fim de que estas perguntas nos acompanhem «durante toda a semana».

Na conclusão da missa, antes do Angelus, o Papa anunciou a sua visita à República da Coreia no próximo mês de Agosto, por ocasião do encontro continental dos jovens asiáticos.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS