Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Quem constrói o futuro

· O Papa Francisco e a oração pelo Médio Oriente ·

Muitas iniciativas do Papa Francisco foram catalogadas como históricas. Certamente quando os cronistas descreverem a actividade destes anos darão amplo espaço à peregrinação na Terra Santa, assim como ao encontro de oração querido pelo Papa entre os presidentes de Israel e da Palestina. Muitas gerações contemporâneas cresceram seguindo as vicissitudes alternadas do conflito no Médio Oriente, onde a única coisa que se pôde ver foi a gestão de um problema, mas não uma solução de fundo capaz de fazer justiça à dignidade de quantos são vítimas daquele conflito. Durante a viagem, a convocação do dia de oração, a resposta imediata e a sua concretização nos jardins do Vaticano foram de uma grandeza única. Se há uns dois anos se tivesse perspectivado algo semelhante, até o indivíduo mais optimista teria dito que seria impossível. A partir da sua autoridade espiritual e recordando a atenção do poder temporal, o Papa Francisco deu um grande sinal de esperança àqueles povos. Como Pontífice – no sentido etimológico da palavra – construiu uma nova ponte com um apelo sincero a um diálogo que não parte de questões administrativas, mas da oração. Ousaria chamar-lhe diplomacia espiritual.

Como muçulmano nascido na Argentina, descendente de libaneses e de sírios, não me surpreende toda a actividade desempenhada por este Papa, que foi arcebispo da minha cidade. Naturalmente o papado assume uma importância a nível mundial, mas esta busca incessante de paz, a partir da oração e do ensinamento, já existia há muito tempo na cidade de Buenos Aires. Num peregrinar constante verificaram-se muitas ocasiões durante as quais a oração pela paz no Médio Oriente se elevou da catedral de Buenos Aires, na presença de representantes de todas as confissões. Esta actividade que envolveu as religiões foi sempre muito respeitadora da identidade de cada tradição.

Quando Bergoglio era arcebispo de Buenos Aires, multiplicaram-se as iniciativas entre as confissões, não só formais, mas também concretas para formar as novas gerações no diálogo activo e preventivo. Em particular no Centro islâmico da República Argentina, sob a presidência de Adel Mohamed Made, as relações entre muçulmanos, católicos e judeus conheceram uma nova fase de trabalho conjunto. Um evento importante foi a assinatura de um documento ao qual aderiram as comunidades religiosas em 2005. Os principais representantes do judaísmo e do islão assinaram-no condenando qualquer forma de fundamentalismo e de terrorismo, quer sejam de matriz religiosa quer política. Nasceu formalmente também naquele ano o órgão conhecido como Instituto para o diálogo inter-religioso, que fundou juntamente com o padre Guillermo Marcó e o rabino Daniel Goldman, com o encorajamento de Jorge Mario Bergoglio. Pode-se sem dúvida afirmar que a ideia do diálogo sempre esteve presente, como exercício de vontade baseado na cultura do encontro. Na certeza de que se da dimensão religiosa, tão particular em cada um, é possível encontrar caminhos para melhorar as relações humanas, noutros âmbitos, sobretudo no político, isto torna-se indispensável.

A coerência ideológica e também concreta permite que todos os crentes tenham muita esperança neste pontificado. Sem dúvida Francisco representa um tipo de espiritualidade que deixa marcas profundas nos homens, alargando a sua influência também aos não católicos. É opinião geral que ele é a pessoa com a imagem mais positiva no mundo. O conceito de imagem positiva está inevitavelmente relacionado com a política. Muitos protagonistas neste campo investem grandes quantias para construir mensagens e fotografias que melhorem a sua imagem aos olhos da sociedade. Olhando para os resultados de uns e de outros não tenho dúvidas de que o melhor instrumento para construir uma imagem positiva é a coerência. O Papa é o melhor exemplo disto. Certamente o trabalho prossegue. Sem dúvida outros seus gestos serão definidos históricos e comoverão. Mas o certo é que através destes gestos Francisco constrói o futuro.

Omar Abboud

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS