Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Quatro guias

Pela primeira vez o Papa falou ao Congresso dos Estados Unidos, e pela primeira vez trata-se de um Papa que pode dizer «também eu sou filho deste grande continente». Portanto, um acontecimento destinado a entrar na história: devido a estas circunstâncias sem precedentes, mas sobretudo ao discurso de quase uma hora que Bergoglio dirigiu aos máximos representantes da democracia americana. Na leitura, cadenciada em inglês, o Pontífice foi interrompido trinta e oito vezes por salvas de palmas, quase sempre unânimes, e no início, no final e por outras dez vezes transformaram-se em ovações enquanto a maioria da assembleia se levantava de pé em sinal de consenso.

A política e a actividade legislativa são chamadas a cuidar – uma expressão frequente em Bergoglio – do povo. Por esta razão, o Papa começou evocando a figura de Moisés, legislador de Israel, símbolo de unidade e, ao mesmo tempo, chamada à dignidade transcendente de cada ser humano. Contudo, a chamada do Pontífice dirigiu-se sobretudo a quatro grandes representantes (representatives) dos Estados Unidos dos quais se celebra diversos aniversários: Abraham Lincoln, o presidente «guardião da liberdade»; Martin Luther King com o sonho de igualdade dos direitos para os afro-americanos; Dorothy Day, fundadora do Catholic Worker Movement e activista apaixonada ao lado dos oprimidos; e o monge Thomas Merton, homem de oração e de diálogo.

Falando destas figuras e dos seus sonhos Bergoglio enumerou as questões mundiais que hoje devem ser enfrentadas. O aumento de violências e de atrocidades muitas vezes perpetradas em nome da religião, com a consequente necessidade de combater os fundamentalismos, mas sem esquecer ao mesmo tempo que é importante continuar a ouvir a voz da fé, como demonstra positivamente a história política norte-americana, desde da declaração da independência, citada significativamente no discurso. Além disso, há a emergência de imigrações imponentes, como não se verificava – observou o Papa, que recordou ser filho de migrantes – desde do final da segunda guerra mundial.

E ainda, a urgência de pôr fim no mundo inteiro à pena de morte e de combater a pobreza. Enfim, a mudança climática que ameaça todo o planeta, em particular precisamente os mais pobres, e os enormes interesses económicos que estão na base do tráfico de armas. O Pontífice mencionou também a importância e a beleza da família – tema do encontro mundial de Filadélfia – que hoje, como nunca, está debilitada, com graves consequências sobretudo para os jovens, e por fim expressou os bons votos a fim de que o espírito do povo americano possa continuar a alimentar os seus grandes sonhos.

O último encontro do Papa Francisco em Washington foi com um grupo de desabrigados, comparados com a família de Jesus numa meditação emocionante. O primeiro encontro à chegada ao centro de Nova Iorque, onde estavam à sua espera milhares de pessoas pelas ruas, foram as vésperas na catedral de São Patrício, acabada de restaurar. Estavam presentes muitos religiosos e o Pontífice – que no início da homilia manifestou proximidade aos muçulmanos pela festa do Sacrifício e pela tragédia ocorrida às portas da Meca – não perdeu a ocasião de elogiar as irmãs norte-americanas, entre uma explosão de salvas de palmas: «O que seria da Igreja sem elas? Mulheres fortes, lutadoras, com aquele espírito corajoso que as coloca na primeira linha do anúncio do Evangelho», disse. E a estas «irmãs e mães» do povo americano Francisco quis expressar um «obrigado deveras grande». Acrescentando que as estima muito.

g.m.v.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS