Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Quando a voz masculina canta Deus

· O canto litúrgico na tradição bizantina grega ·

A música litúrgica no Oriente desenvolveu-se sobretudo sob o ponto de vista vocal. São as vozes dos cantores, geralmente homens, e muitas vezes as de todo o povo, que marcam o desenrolar-se da liturgia.

Testemunhos do canto litúrgico, ou se quisermos da liturgia cantada, na tradição bizantina grega encontram-se já nos textos dos Padres a partir do IV século. É suficiente citar as composições hinográficas de santo Efrém o Sírio (†373) com indicações – não observações, mas frases simples – de carácter musical hoje indecifrável: são textos muito compridos que eram cantados por todos ou por um cantor ao qual o povo respondia com um refrão.

Este papel central da voz no canto litúrgico tem um carácter original que vem da tradição antioquense e em estreita ligação com as tradições siríacas orientais e ocidentais. Até ao século IX, sobretudo após a crise iconoclasta, não há observações musicais.

Hoje celebra-se em muitos Países mediterrâneos, desde o Próximo oriente até à Calábria e à Sicília, a liturgia bizantina grega possui tradições específicas de todos os lugares, mas também características comuns. São composições musicais de carácter monódico, ou seja cantadas sem instrumentos musicais por uma ou mais vozes, segundo os casos, mas sem a polifonia que se desenvolveu sobretudo nas liturgias da tradição bizantina eslava.

Não há instrumentos musicais, é a voz humana o único instrumento no louvor de deus e na proclamação da Palavra. Portanto, pode-se dizer que a tradição bizantina grega desfruta a voz e o canto como modo para exprimir a oração litúrgica.

Qual é a função do cantor, e sobretudo da voz, na liturgia bizantina grega? Em primeiro lugar, o canto dos textos litúrgicos está estruturado a partir do oktoèchos, ou seja do conjunto de oito tons musicais diversos, ligados com um conjunto de textos poéticos previstos para um ciclo de também oito semanas. São composições que datam de um período entre o V e o IX século, obras de teologia poética de autores anónimos ou de grandes hinográficos, como Romano o Melodo ou João Damasceno. Estes oito tons musicais são aplicados aos diversos textos litúrgicos bizantinos durante o ano litúrgico.

Em segundo lugar, a voz singular tem um papel fundamental na récita e na oração dos Salmos ou dos versículos do Saltério, livro bíblico atribuído a David, rei e profeta, que possui um lugar muito importante na tradição bizantina, sobretudo na praxe monástica. Cada salmo é recitado por um leitor, com uma leitura que muitas vezes não é uma simples declamação privada, mas com uma entoação vocal que não somente permite de seguir o texto mas também, e sobretudo, de orar com o salmista.

Portanto, em terceiro lugar, em todas as liturgias cristãs, do oriente e do ocidente, o Evangelho é cantado pelo diácono, para o anunciar através da beleza e da força do canto. Contudo, a melodia nunca sacrifica, pelo contrário deste modo realça o valor e o sentido do texto, a beleza e a força da palavra daquele que a liturgia, com o livro dos Salmos (44,7) proclama como «o mais belo entre os filhos dos homens». Ainda, em quarto lugar, têm uma função importante as vozes ou os tons melodiosos do bispo ou do sacerdote celebrante durante as orações ao longo da liturgia e sobretudo na anáfora, também ela cantada a partir dos oito tons já mencionados, e o do diácono no canto das diversas ladainhas no decorrer da celebração.

Por fim, em último lugar, realçam as melodias para os textos particulares ou próprios durante o ano litúrgico. Trata-se de melodias que muitas vezes entraram na alma do povo fiel que as canta e, deste modo, torna-se realmente concelebrante da liturgia, sobretudo durante a liturgia da Semana santa.

Um destes casos específicos é o canto dos Enkòmia no matutino do Sábado santo, cuja melodia tornou-se um património que entrou no coração dos fiéis bizantinos. Trata-se do elogio fúnebre de Jesus formado por 176 estrofes divididas em três grupos que foi composto entre os séculos XII e XIV. O canto dos Enkòmia é feito diante do túmulo de Cristo, colocado no centro da igreja, e as estrofes são cantadas de modo alterno por dois coros, por vezes entrelaçadas com versículos do longo salmo 118.

A música, o canto forte e realmente sentido destas estrofes fazem do povo fiel o verdadeiro celebrante, que encarna as diversas personagens da composição poética, assumindo a dor, o pranto e a alegria.

O papel do canto, da voz melodiosa na tradição bizantina, nos mosteiros, nas catedrais, nas igrejinhas dos campos, é fundamental, seja pela beleza seja sobretudo pela força do anúncio da Palavra e pela celebração do louvor a Deus que é Pai, que se revelou plenamente no Filho e que nos santifica no Espírito Santo.

Manuel Nin

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS