Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Progresso na convivência

· No voo de Cuba para os Estados Unidos o Pontífice congratula-se pela melhoria das relações entre os dois países. Hoje em Washington a visita à Casa Branca, o encontro com os bispos e a canonização de Junípero Serra ·

Sobre a questão «bloqueo», embargo, o Papa deseja «que se alcance um bom resultado, um acordo que satisfaça as partes»: é ele mesmo quem o confirma durante o voo que na tarde de terça-feira, 22 de Setembro, de Cuba o levou para os Estados Unidos. E precisamente no respeitante às relações entre os dois países o Pontífice constatou que se está a trabalhar «na direcção das boas relações», consideradas um «sinal do progresso na convivência».

Como de costume durante as viagens internacionais, Francisco respondeu às perguntas dos jornalistas que o acompanham. E interpelado sobre a questão por uma cronista cubana, reafirmou a posição da Santa Sé em relação aos embargos em geral, frisando que também os Papas precedentes já tinham falado acerca disso. «Há uma doutrina social da Igreja – disse – e é a ela que me refiro, a qual é clara e justa». Uma referência que foi retomada também quando lhe foram feitas notar algumas considerações sobre a fidelidade do Papa ao magistério da Igreja. «A minha doutrina – comentou – é a doutrina social da Igreja. E se for necessário que eu recite o «Credo», estou disposto a fazê-lo!», concluiu com esta resposta.

Entre os temas tratados durante o diálogo, o dos dissidentes cubanos e o encontro com Fidel Castro. Nas respostas do Pontífice uma espécie de balanço conclusivo dos quatro dias passados na ilha caribenha. A última etapa foi precisamente a terça-feira em Santiago de Cuba, com a celebração da missa no santuário da Virgem da Caridade do Cobre, padroeira da nação, e o caloroso encontro com as famílias. No discurso que lhes dirigiu, definiu-as «verdadeiras escolas do amanhã, verdadeiros espaços de liberdade, verdadeiros centros de humanidade», com o convite alargado aos responsáveis a preocupar-se delas porque, explicou, as famílias salvam a sociedade de divisões e dilacerações. Nisto, as mães desempenham um papel especial. Por isso, como que a selar a sua reflexão, Francisco dirigiu um pensamento especial às mulheres grávidas. «Proponho uma coisa – disse – a todas aquelas mulheres que estão “grávidas de esperança”, porque um filho é uma esperança: que neste momento acariciem o ventre. Se aqui estiver alguma, que o faça. Ou as que ouvem através da rádio e da televisão. E eu, a cada uma delas, a cada menino ou menina que está lá dentro à espera, concedo a bênção. Acariciai o bebé que esperais».

Depois, no final da tarde o Papa aterrou em Washington, onde na Andrews Air Force base, foi calorosamente recebido pelo presidente norte-americano Barack Obama. Um encontro breve que teve lugar numa atmosfera de grande cordialidade, o qual se renovou na quarta-feira 23, com a visita à Casa Branca, à qual se seguiu o encontro com os bispos, na catedral dedicada a São Mateus, e a canonização de Junípero Serra, no santuário nacional da Imaculada Conceição.

Discursos do Papa 

Directa streaming 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

26 de Maio de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS