Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Premiadas a doutora Wu e as suas alunas

O governo de Taiwan atribuiu à décima classe do Instituto Beata Imelda, a escola católica mais antiga do país, o primeiro prémio pela inovação multimédia sobre a prevenção da Sida. O prémio – explica Xin Yage em Asia News – foi instituído depois que se descobriu como os jovens taiwaneses eram ignorantes acerca desta doença, que durante os últimos anos aumentou de modo preocupante na faixa etária de 15 a 24 anos. O concurso visa todas as escolas públicas e privadas, com o objectivo de criar uma plataforma multimédia capaz de explicar os perigos da Sida aos coetâneos. As alunas premiadas, guiadas pela professora Sophia Wu, superaram enormemente as concorrentes. A professora Wu – formada em Ciências da educação e em Ciências religiosas – é perita em comunicação multimédia para os adolescentes: «Transparência, síntese, paixão e exactidão devem ser os traços dos nossos projectos. Os jovens têm necessidade de entender imediatamente o assunto tratado, de poder apaixonar-se por ele e partilhá-lo». A apresentação multimédia premiada não se limita a explicar a facilidade do contágio do Vih e a prevenção da Sida, mas oferece um conteúdo mais amplo: informar, partilhar e entreajuda, sem julgar nem abandonar ninguém na rua. Até há três anos Wu ensinava numa outra escola católica, um instituto técnico para jovens de classes sociais mais pobres da periferia de Xinzhu. «Foi uma experiência muito importante: no início os jovens envergonhavam-se de pertencer a esta escola, mas insistimos sobre o facto de que a dignidade não nos deve ser reconhecida por ninguém, a dignidade do que fazemos está dentro de nós e não nos devemos envergonhar do nosso contexto, mas ser orgulhosos dos valores humanos – e, para quem crê, cristãos – sobre os quais baseamos a nossa vida». A professora também revelou o seu segredo: «Solta a liberdade dos teus estudantes. Deixa-os livres de encontrar novos modos de comunicar os valores em que acreditam. Onde há vida e fantasia só se pode gerar nova vitalidade, contagiosa para todos os que entram em contacto com ela, como fez Jesus com os seus contemporâneos».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS