Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ponto de vista feminino

· ​Audiência do Papa à União internacional das superioras-gerais ·

É útil uma comissão de estudos sobre o diaconado permanente das mulheres

A inserção das mulheres na vida da Igreja e os obstáculos que ainda encontram, o papel das consagradas e da União internacional das superioras-gerais (Uisg): eis alguns dos temas enfrentados pelo Papa no longo diálogo que teve na manhã de 12 de maio, na sala Paulo VI, com mais de oitocentas superioras de institutos femininos de vida apostólica, reunidas em Roma para a vigésima plenária, de 9 a 13 de maio sobre o tema «Tecer a solidariedade global para a vida».

Provenientes de oitenta países, alguns dos quais em conflito, e de situações de pobreza ou de perseguição, as religiosas representam quase meio milhão de irmãs que trabalham nos cinco continentes. Muitas fazem parte também de organizações não governamentais, ou estão inseridas em projetos sociais e comunitários, ou ainda colaboram com religiosos e leigos para que a dignidade de cada pessoa seja respeitada, comprometendo-se em especial contra o tráfico de seres humanos e contra todas as outras formas de escravidão moderna, a partir daquelas ligadas ao fenómeno mundial das migrações forçadas.

Durante o diálogo, o Papa falou entre outros do papel das mulheres consagradas e leigas, ainda débil quer nos processos decisórios na Igreja, quer na pregação. O Pontífice descreveu depois brevemente as tentações do feminismo e aquela, mais forte, do clericalismo. A presença das mulheres na Igreja toca a questão do diaconado permanente e a propósito o Papa Francisco disse que será útil constituir uma comissão de estudos que se ocupe da questão. E ainda, o Pontífice falou das mudanças que podem ser introduzidas no direito canónico e da importância da Uisg na vida da Igreja.

Em seguida, Francisco perguntou-se o que faltaria à Igreja, se já houvessem religiosas. E respondeu que seria como o Pentecostes sem Maria. De resto, não há Igreja sem Maria, e por isso cada mulher consagrada é ícone da Igreja, concluiu o Papa.

Às religiosas e aos religiosos o Papa dedicou também o tweet do dia: «Despertai o mundo! Sede testemunhas de um modo diverso de pensar, de agir, de viver!».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS