Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Políticas sérias contra a pobreza

· ​O Papa na missa para as canonizações recorda que a oração é uma luta pela paz e no Angelus apela a favor das famílias e do trabalho ·

Na vigília do dia mundial contra a pobreza, que se celebra hoje, segunda-feira 17 de outubro, o Papa Francisco pediu que se unam «as forças, morais e económicas, para lutar juntos» para que seja possível derrotar este flagelo «que degrada, ofende e mata tantos irmãos e irmãs», desejando que sejam atuadas «políticas sérias para as famílias e para o trabalho». O apelo foi feito no Angelus de domingo 16, recitado com os mais de oitenta mil fiéis presentes na praça de São Pedro para a missa de canonização, durante a qual o Pontífice proclamou sete novos santos. Trata-se de Salomão Leclercq (1745-1792), José Sánchez del Río (1913-1928), Manuel González García (1877-1940), Ludovico Pavoni (1784-1849), Afonso Maria Fusco (1839-1910), José Gabriel do Rosário Brochero (1840-1914) e Isabel da Santíssima Trindade Catez (1880-1906): respetivamente um religioso lassaliano, um jovem leigo mexicano, um bispo espanhol, três sacerdotes dois fundadores italianos e um «cura» argentino – e uma monja carmelita descalça.

Na homilia o Papa, ao comentar as leituras da liturgia, falou da oração. Com efeito, os novos santos, «alcançaram a meta, tiveram um coração generoso e fiel, graças à oração: rezaram com todas as forças, lutaram, venceram». O modelo é Moisés, cuja vicissitude contém uma mensagem importante: «o compromisso da oração – explicou Francisco – exige que nos amparemos uns aos outros. O cansaço é inevitável, por vezes não aguentamos mais, mas com o apoio dos irmãos a nossa oração pode continuar, até que o Senhor complete a sua obra». De resto, «é este o modo de agir cristão: ser firmes na oração para permanecer firmes na fé e no testemunho». Até porque, observou o Papa, rezar não significa «refugiar-se num mundo ideal, não é evadir para uma falsa tranquilidade egoísta». Ao contrário, significa «lutar, e deixar que também o Espírito Santo reze por nós». É ele «que nos ensina a rezar, que nos guia na oração, que nos faz rezar como filhos». Precisamente como fizeram os sete novos santos.

Homilia  do

Apelo no Angelus  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS