Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Podemos ser santos

· ​Na audiência geral o Papa recordou que a história precisa de místicos ·

Não devemos pensar que a santidade é uma meta difícil: «Podemos ser santos porque o Senhor nos ajuda» garantiu o Papa Francisco na audiência geral de quarta-feira, 21 de junho, na praça de São Pedro.

Dando continuidade às suas catequeses sobre a misericórdia, o Pontífice recordou todas as vezes que a «invocação dos santos marca o caminho da vida cristã». Começando pelo batismo, quando antes da unção com o óleo dos catecúmenos pedimos a sua intercessão: assim, explicou, é-nos «concedida esta companhia de irmãos e irmãs “mais velhos” – os santos – que passaram pela nossa estrada, que conheceram as nossas mesmas dificuldades e vivem para sempre no abraço de Deus».

O mesmo acontece no matrimónio, porque «quem ama verdadeiramente tem o desejo e a coragem de dizer “para sempre” mas sabe que tem necessidade da graça de Cristo e da ajuda dos santos para poder viver a vida matrimonial». Portanto, trata-se de uma escolha absoluta e definitiva, que não é válida «enquanto o amor durar» mas é «para sempre». Caso contrário, esclareceu o Papa, «é melhor não casar: ou para sempre ou nada».

Também no sacerdócio a intercessão dos santos – invocada durante a liturgia da ordenação enquanto o candidato permanece estendido no chão – torna-se um apoio e uma graça. De facto, um homem «permaneceria esmagado sob o peso da missão que lhe é confiada», mas «sentindo que todo o paraíso está a seu favor» compreende que não se encontra sozinho nesta tarefa.

«Somos pó que aspira ao céu» comentou Francisco, exortando a rezar ao Senhor a fim de que ele «conceda a todos nós a esperança de ser santos».

Isto, explicou, não exige uma vida só de ascese mas «significa que deves fazer o teu dever todos os dias: rezar, trabalhar, cuidar dos filhos», vivendo «com o coração aberto a Deus». E «não pensemos que é algo difícil, que é mais fácil ser delinquente que santo» recomendou na conclusão, reiterando: «Podemos ser santos porque o Senhor nos ajuda».

Catequese do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS