Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Perdão pela indiferença do mundo

· No Bangladesh o encontro de Francisco com um grupo de refugiados rohingyas ·

O Papa Francisco pediu perdão aos rohingyas pela indiferença do mundo e solicitou que sejam reconhecidos os seus direitos. As palavras do Pontífice ressoaram no jardim do paço episcopal de Daca na tarde de sexta-feira, 1 de dezembro, na conclusão do segundo dia da viagem ao Bangladesh.

No final da oração pela paz com os representantes das comunidades cristãs e das crenças religiosas do país, Francisco quis encontrar-se com um grupo de refugiados da etnia muçulmana provenientes dos campos de acolhimento de Cox Bazar, saudando-os um por um e ouvindo as suas histórias de sofrimento. Em seguida, improvisando algumas palavras em italiano, garantiu-lhes a sua proximidade e denunciou a grande tragédia que estão a viver. Tragédia pela qual o Papa pediu explicitamente perdão em nome de quantos são responsáveis por esta situação.

Recordando que a narração da criação fala do homem à imagem e semelhança de Deus, o Pontífice reafirmou que também os rohingyas são à imagem do Deus vivente. Por isso apelou a continuar a ação humanitária em ajuda dos refugiados e a mobilizar-se para que sejam reconhecidos os seus direitos. Não se deve fechar o coração e voltar-se para o outro lado, exortou, porque a presença de Deus hoje chama-se também rohingya.

O encontro com o grupo de refugiados foi o momento mais comovedor do dia que iniciou com a missa no Suhrawardy Udyan Park, durante a qual Francisco conferiu a ordenação sacerdotal a dezasseis sacerdotes. À tarde, depois da visita do primeiro-ministro do Bangladesh, que teve lugar na nunciatura, o Papa deslocou-se à catedral de Daca, para se encontrar com os Prelados da Conferência episcopal do país. No final, o encontro com os chefes religiosos bangladeshianos, aos quais o Pontífice dirigiu o convite a construir uma cultura da harmonia e da paz, comprometendo-se principalmente a contrastar a lógica de quantos procuram «fomentar divisão, ódio e violência em nome da religião».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS