Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Pelos cristãos perseguidos

· No Angelus o Papa recordou que não existe missão sem dificuldade ·

«Também nos nossos dias a perseguição contra os cristãos está presente» e não obstante tudo muitos irmãos e irmãs «continuam a testemunhar com coragem a sua fé», recordou o Papa no Angelus recitado com os fiéis na praça de São Pedro ao meio-dia de 25 de junho.

Comentando o evangelho dominical, tirado de Mateus 10, 26-33, Francisco recordou que Jesus instruía os discípulos preparando-os «para enfrentar provações e perseguições».

De facto, explicou com uma imagem eficaz «ir em missão não é fazer turismo» e «o envio não garante o sucesso, assim como não protege contra falências e sofrimentos». Pelo contrário, observou, os discípulos de Cristo «devem calcular a possibilidade de rejeição, de perseguição».

Certamente, o Papa está ciente de que «isto assusta um pouco», mas infelizmente «é a verdade». De resto «o discípulo é chamado a conformar-se com a vida de Cristo, que foi perseguido pelos homens, conheceu a rejeição, o abandono e a cruz». E é por isso que «não existe missão cristã que seja tranquila! As dificuldades e as tribulações fazem parte da obra de evangelização, e somos chamados a encontrar nelas a ocasião para verificar a autenticidade da nossa fé e da nossa relação com Jesus». E mais, exortou Francisco, «devemos considerar estas dificuldades como a possibilidade para sermos ainda mais missionários e para crescer naquela confiança no Pai. Eis então o convite do Pontífice a rezar «pelos nossos irmãos e irmãs que são perseguidos» e a louvar o Senhor «porque, não obstante tudo, continuam a testemunhar com coragem e fidelidade a sua fé».

E na manhã de segunda-feira, 26 de junho, recebendo em audiência a Liga italiana para a luta contra os tumores (Lilt), o Papa pediu que «a prevenção oncológica abranja todos». Uma solicitação a realizar – disse – «graças à colaboração entre os serviços públicos e privados, as iniciativas da sociedade civil e as caritativas».

Angelus do Papa 

Discurso à Liga italiana para a luta contra os tumores

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS