Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Pedro e André ainda juntos

· Na audiência geral o Papa pede para rezar pelos católicos na China e pela viagem à Terra Santa e depois de uma forte chamada à preservação da criação lança um apelo a favor das vítimas das inundações nos Balcãs ·

Ecumenismo e paz: são as duas palavras-chave da viagem à Terra Santa que o Papa Francisco iniciará no sábado 24 de Maio. Indicou-as ele mesmo no final da audiência geral de quarta-feira 21, convidando os fiéis presentes na praça de São Pedro a rezar por aquela que ele definiu uma «viagem estreitamente religiosa» na «terra de Jesus». Ao explicar o dúplice motivo da peregrinação, o bispo de Roma mencionou primeiro o encontro com «o meu irmão Bartolomeu I», no cinquentenário do de Paulo VI com Atenágoras I. «Pedro e André encontrar-se-ão outra vez e isto é muito agradável», comentou, recordando depois que a segunda finalidade «é rezar pela paz naquela terra que tanto sofre».

Orações que o Papa pediu também pela comunidade católica na China. Com efeito, por ocasião da festa de Maria Auxiliadora, muito venerada por aquele povo no santuário de Sheshan, o bispo de Roma fez votos de que os católicos chineses «continuem a crer, a esperar e a amar e sejam fermento de convivência harmoniosa entre os seus concidadãos».

Precedentemente o Papa Francisco, prosseguindo as catequeses sobre os dons do Espírito Santo, tinha falado do dom da ciência, concluindo a própria reflexão com uma forte chamada à preservação da criação. O Pontífice advertiu contra a tentação de considerar a natureza «uma propriedade, da qual podemos decidir a nosso bel-prazer» e convidou a louvar e a agradecer a Deus por «nos ter concedido tanta beleza». Porque, acrescentou recordando as palavras que lhe foram confidenciadas por uma pessoa simples que vivia no campo, «Deus perdoa sempre» mas «a criação nunca perdoa e se tu não a preservas – admoestou – ela destruir-te-á».

Palavras que encontraram um eco concreto no apelo sucessivo do Papa pelas populações da Bósnia e Herzegovina e Sérvia duramente atingidas nestes dias por alagamentos e inundações. O apelo foi relançado também na Rede Social através de um tweet de @Pontifex.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

12 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS