Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​A pedra removida

· ​Na audiência geral o Papa Francisco falou das celebrações do tríduo pascal e recordou João Paulo II no décimo aniversário da morte ·

«A pedra do sofrimento foi removida deixando espaço à esperança»: na evocativa imagem escolhida pelo Papa Francisco para descrever «o grande mistério da Páscoa», está a chave de leitura para viver o tríduo santo. De facto, na vigília do início das celebrações pascais, o Pontífice dedicou a audiência geral ao «ápice de todo o ano litúrgico» e, acrescentou, «também o ponto culminante da nossa vida cristã». Porque, explicou aos numerosos fiéis presentes na praça de São Pedro, «a nossa vida não acaba diante da pedra de um sepulcro»; ao contrário, «vai além com a esperança em Cristo que ressuscitou precisamente daquele sepulcro».

De resto, disse o Papa Francisco, «Jesus, com o seu Sacrifício, transformou a maior iniquidade no amor maior». Por isso «ao longo dos séculos» existiram e continuam a existir «homens e mulheres que com o testemunho da sua vida reflectem um raio deste amor perfeito, pleno, incontaminado». E a propósito evocou a figura do «padre Andrea Santoro, sacerdote da diocese de Roma e missionário na Turquia», assassinado em Trebisonda em 2006, definindo-o «uma testemunha heróica dos nossos dias. E também hoje – frisou num dos numerosos acréscimos ao texto preparado – há tantos homens e mulheres, verdadeiros mártires que oferecem a própria vida com Jesus para professar a fé, só por este motivo».

Eis a exortação conclusiva a não celebrar a Páscoa com «a tristeza de quem se acomodou», mas com a «esperança de quem se abre para um presente cheio de futuro».

Sucessivamente, saudando como de costume os vários grupos de fiéis, Francisco recordou o décimo aniversário da morte de João Paulo II, que se celebra a 2 de Abril. O Papa Wojtyła, afirmou, foi uma «grande testemunha de Cristo sofredor, morto e ressuscitado». E exortou a dirigir-lhe orações para que interceda «por nós, pelas famílias, pela Igreja, a fim de que a luz da ressurreição resplandeça sobre todas as sombras da nossa vida». 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS