Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Paz e harmonia para o bem da Igreja

· Recomendação do Papa a uma delegação sírio-malabar ·

Paz e harmonia para o bem da Igreja e de todos os cidadãos na região do Kerala. Para alcançar este objectivo o Papa pediu a responsabilidade de todos os homens de «boa vontade e de todas as religiões que desempenham o seu apostolado naquela região». Em particular, Bento XVI confiou esta mensagem a uma delegação da Igreja sírio-malabar, recebida em audiência na manhã de segunda-feira, 17 de Outubro. O Pontífice pediu para intensificar o compromisso pastoral em relação aos próprios fiéis, «também para com os que vivem no estrangeiro», tendo sempre presente a «necessidade essencial de cooperação com os bispos católicos e os pastores de outros ritos. No início da audiência Sua Beatitude George Alencherry, arcebispo-mor da Igreja sírio-malabar, dirigiu ao Papa uma calorosa saudação.

Beatitude

É-me grato cumprimentá-lo assim como aos membros do Sínodo Permanente da Igreja Sírio-Malabar que vieram a Roma expressando desta forma a comunhão com o Sucessor de Pedro e agradeço-lhe as amávei palavras que me dirigiu em seu nome e no deles. Esta visita é uma das mais importantes, pois se realiza não muito tempo depois da sua eleição como arcebispo-mor. Ao vir aqui, oferece um sinal eloquente da comunhão hierárquica que expressou formalmente na recente carta que me enviou solicitando a confirmação da sua eleição.

O seu antecessor, o saudoso cardeal Varkey Vithayathil, deixou uma herança sobre a qual certamente Sua Excelência e os seus irmãos bispos querem edificar. Neste contexto, desejo recordar o exemplo dos dois santos padroeiros da Igreja sírio-malabar, santo Afonso Muttathupadathu e o beato Kuriakose Elias Chavara, beatificados pelo beato João Paulo II durante a sua visita a Kerala há vinte e cinco anos. Depois, em 2008, tive a graça de canonizar santo Afonso. A Igreja sírio-malabar em Kerala continua a gozar do respeito da comunidade local pelo seu trabalho no âmbito da educação e pelas suas instituições sociais e caritativas ao serviço de toda a comunidade. Estou ciente de que a vida dos cristãos foi complicada por causa da desconfiança de natureza sectária e até da violência, mas quero exortar-vos a continuar a trabalhar nesta área com as pessoas de boa vontade de todas as religiões para manter a paz e a harmonia na região, para o bem da Igreja e de cada cidadão.

No seio da própria Igreja, existem sinais encorajadores de vocações ao sacerdócio e à vida religiosa, que vos ajudarão a manter o compromisso pastoral. É necessário ter presente os desafios pastorais constantes na formação do clero e dos religiosos, na vida familiar cristã e na solicitude pastoral dos fiéis. Louvo-vos pelos esforços realizados para manter a firmeza das vossas estruturas familiares, a qualidade da educação católica e da catequese em todos os níveis, assim como a obra pastoral em prol dos jovens. Encorajo-vos também a continuar a vossa obra bem sucedida a favor da promoção das vocações entre os jovens.

Na fidelidade ao Evangelho e à graça derramada sobre nós por Cristo nosso Senhor, vós e os vossos fiéis prosperaram na vossa terra e no estrangeiro em união com a Igreja universal. Promovendo a vossa tradição litúrgica autêntica, os vossos fiéis foram alimentados com a Palavra e o sacramento, em conformidade com o que foi transmitido pelos vossos pais na fé. Também estou ciente das iniciativas pastorais em prol dos católicos sírio-malabares espalhados por todo o mundo. Como fiz durante a vossa visita ad limina , em Abril, permiti que vos encoraje novamente nesta tarefa importante, especialmente no que diz respeito ao vosso compromisso pastoral em relação aos católicos sírio-malabares que vivem no estrangeiro, peço-vos que o façais pensando sempre na exigência essencial de cooperação com os bispos católicos e com os pastores de outros ritos. Beatitude, queridos irmãos bispos, com estas breves reflexões confio-vos à intercessão de s. Tomás, grande apóstolo da Índia, de santo Afonso e do beato Kuriakose. Asseguro-vos o meu afecto e oração e de bom grado concedo-vos, bem como ao clero, aos religiosos e a quantos estão confiados ao vosso cuidado, a minha Bênção Apostólica como penhor de graça e paz no Senhor Jesus Cristo.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS