Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Paz e concórdia para a Venezuela

· Na Audiência geral o apelo do Papa a pôr fim às violências ·

Apelo do Papa Francisco pelo fim das violências na Venezuela. Dirigindo-se aos fiéis presentes na manhã de quarta-feira, 26 de Fevereiro, na praça de São Pedro para a audiência geral, o Pontífice expressou «particular apreensão» pela situação do país latino-americano, onde não cessam os protestos e os conflitos que recentemente provocaram 13 vítimas.

«Desejo vivamente – disse antes de saudar os grupos de língua italiana – que cessem quanto antes as violências e as hostilidades e que todo o povo venezuelano, a partir dos responsáveis políticos e institucionais, se comprometa a favorecer a reconciliação, através do perdão recíproco e de um diálogo sincero, respeitador da verdade e da justiça, capaz de enfrentar temas concretos para o bem comum».

Garantindo a sua «oração constante, em particular por quantos perderam a vida nos conflitos e pelas suas famílias», o Santo Padre convidou a invocar a «intercessão materna de Nossa Senhora de Coromoto a fim de que o país encontre imediatamente paz e concórdia».

Precedentemente o Papa dedicou a catequese ao sacramento da unção dos enfermos, com o qual – recordou – «é o próprio Senhor Jesus que nos guia pela mão, nos acaricia como fazia com os doentes e nos recorda que pertencemos a ele e que nada, nem o mal nem a morte, nos poderá separar dele». Exortou a recorrer com mais frequência a este sacramento, que não é só o gesto extremo de conforto para quem sofre – «existe quase uma ideia que depois do sacerdote chegue a agência funerária» disse sorrindo – mas é uma ocasião importante «para aliviar o doente, para lhe dar força, esperança, para o ajudar, e também para lhe perdoar os pecados».

O Pontífice dirigiu um pensamento aos sofredores também no final da audiência, saudando um grupo de doentes presentes na praça de São Pedro por ocasião do Dia mundial das doenças raras, que se celebra na sexta-feira 28, e pedindo que «sejam adequadamente apoiados no seu difícil percurso, tanto médico quanto legislativo»

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS