Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Passear na história

· A partir de 1 de Março é possível visitar as Vilas Pontifícias de Castel Gandolfo ·

Um gesto de partilha, o sinal de uma abertura concreta. Assim Osvaldo Gianoli, desde há pouco menos de três meses director das Vilas Pontifícias, define a iniciativa, aprovada pelo Papa Francisco, de abrir ao público a visita aos jardins da residência de Verão dos Pontífices, que se tornou tal a partir daquele dia 10 de Maio de 1626, em que Urbano VIII estabeleceu a partida para as primeiras férias de um Papa em Castel Gandolfo.

A partir daquele dia, com raras excepções – naturalmente além dos dramáticos dias da segunda guerra mundial, durante os quais Pio XII, como se sabe, hospedou milhares de refugiados nas Vilas – foi concedido a poucos visitar este acervo de preciosas obras artísticas e de maravilhas naturais. «Agora – disse-nos o director Gianoli – com a abertura excepcional do Jardim Barberini, as Vilas Pontifícias de Castel Gandolfo concedem-se ao grande público. Através de uma visita guiada plurilingue, os visitantes terão um acesso privilegiado às maravilhas botânicas e arquitectónicas da residência pontifícia já denominada “segundo Vaticano”». Em relação ao itinerário, o director confirma que no momento foi estabelecido um percurso limitado aos jardins da Vila Barberini, onde aliás «é possível admirar – explica – contextos ao mesmo tempo naturalistas e arqueológicos de extraordinário valor e muito sugestivos.

No que concerne às modalidades da visita, o director remete para os museus do Vaticano. «Gerir este movimento – confessou – exige uma experiência consolidada. E pessoalmente ainda estou a estudar esta magnífica e para mim nova realidade. Por conseguinte, está tudo confiado aos Museus do Vaticano, os quais prepararam um site dedicado à iniciativa (visiteguidategruppi.musei@scv.va). A ele pode-se aceder facilmente, quer para obter informações, quer para reservar as visitas».

O acesso é livre, mesmo se a reserva é obrigatória: «isto é exigido pela especificidade do lugar» esclarece Gianoli. É possível efectuar a visita quer em grupo quer individualmente com guia obrigatório, de segunda-feira a sábado, com dois horários: 8h30 e 11h30. Aos sábados há mais um turno às 10h30 em língua italiana. Geralmente as explicações serão em inglês e italiano e só a pedido também em francês, espanhol e alemão. O preço do bilhete é de 26 euros por pessoa, mas no site estão indicadas também outras modalidades e promoções.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS