Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para vencer a exclusão social

· O Papa Francisco iniciou a visita à diocese de Cassano all'Ionio entre os presos, os doentes e os pobres ·

A pena não pode ser «só um instrumento de punição e retorsão» mas deve visar «uma reinserção efectiva» do detido na sociedade. A viagem do Papa Francisco a Cassano all'Ionio teve início na manhã de sábado, 21 de Junho, com um apelo às instituições, chamadas a «um compromisso concreto» para orientar a política penitenciária rumo a objectivos de reabilitação e reintegração social.

Durante a visita ao cárcere de Castrovillari, onde chegou de helicóptero por volta das 9 horas, o Pontífice evocou o tema do «respeito dos direitos fundamentais» dos presos, indicando expressamente «a exigência de proporcionadas condições de expiação da pena». Um aspecto da questão carcerária julgado «essencial» mas ainda insuficiente – advertiu – se não for acompanhado por um trabalho constante na expectativa da reinserção social das pessoas condenadas à detenção.

Quando esta finalidade é descuidada, frisou o Papa, a pena torna-se um instrumento repressivo «prejudicial para o indivíduo e para a sociedade». E Deus, observou, «não age assim connosco», porque «nos ajuda a retomar o caminho. Nunca condena. Não só perdoa mas perdoa e acompanha»: ele é «mestre de reinserção: toma-nos pela mão e reconduz-nos à comunidade social». Palavras que foram imediatamente confirmadas com o encontro pessoal com cada preso, entre os quais o pai do pequeno Cocó Campolongo, assassinado e queimado pelo crime organizado: nunca mais uma criança – apelou o Pontífice – deve passar por este sofrimento.

Depois, o Papa Francisco foi ao encontro dos doentes no hospital San Giuseppe Moscati, antes de ir à catedral para saudar os sacerdotes da diocese. No discurso preparado para a ocasião e entregue aos presentes o bispo de Roma exortou os sacerdotes a redescobrir a alegria da própria missão e a viver a beleza da fraternidade, convidando-os a trabalhar em particular «com a família e para a família». No final, almoçou no seminário com os pobres recebidos pela Cáritas diocesana e com os jovens da comunidade terapêutica e reabilitativa Saman Mauto Rostagno. Na parte da tarde transferiu-se de carro para Marina di Sibari, onde celebrou a missa antes de regressar ao Vaticano.

O texto do discurso do Papa no cárcere de Castrovillari 

O texto do discurso entregue aos sacerdotes 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS