Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para uma história
que se possa escrever juntos

· Relações com a Federação luterana mundial e a União de Utrecht ·

«O diálogo ecuménico hoje não pode continuar a estar separado da realidade e da vida das nossas Igrejas. Em 2017 os cristãos luteranos e católicos comemorarão conjuntamente o quinto centenário da Reforma. Nesta ocasião, luteranos e católicos terão a possibilidade de partilhar pela primeira vez uma mesma comemoração ecuménica em todo o mundo, não na forma de uma celebração triunfalista, mas como profissão da nossa fé comum no Deus Uno e Trino».

Com estas palavras, o Papa Francisco, dirigindo-se aos representantes do Comité nacional alemão da Federação luterana mundial (Flm) e das comunidades unidade evangélico-luterana da Alemanha durante uma audiência particular que teve lugar a 18 de Dezembro de 2014, referiu-se à iniciativa de uma comemoração comum da Reforma entre católicos e luteranos. Ambas as partes estão firmemente intencionadas a celebrar esta data de modo ecuménico e a nível internacional. Por isso, já no Outono de 2016, como primeiro evento que abrirá o Ano da Reforma e como prosseguimento do processo iniciado com o documento comum Do conflito à comunhão. A comemoração comum luterano-católica em 2017, a Federação luterana mundial e o Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos organizarão juntos um acto ecuménico para evidenciar, na vigília do quinto centenário da Reforma, os resultados de um consenso diferenciado obtidos em cinquenta anos de intenso diálogo ecuménico. E deste diálogo entre a Federação luterana mundial (Flm) e a Igreja católica, 2017 marcará o cinquentenário. O cardeal presidente do Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos, Kurt Koch, declarou: «Um caminho essencial rumo à superação de uma história de divisão tão dolorosa consiste em escrevê-la juntos. Isto aconteceu com o documento Do conflito à comunhão, que pode ser considerado um fruto maduro do diálogo ecuménico nos últimos decénios».

Matthias Türk

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS