Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para um Egipto unido e tolerante

· Apelo dos Patriarcas e dos chefes das Igrejas em Jerusalém ·

Uma apelo à comunidade internacional para que se oponha à violência  e ao terrorismo e ajude o povo egípcio a superar esta espiral cruenta e sanguinolenta, a fim de que o país volte ao caminho certo, foi dirigido pelos Patriarcas e pelos chefes das Igrejas e das comunidades religiosas de Jerusalém através de uma declaração difundida na quarta-feira.

«Nós Patriarcas e chefes das Igrejas em Jerusalém – lê-se na declaração – acompanhamos com grande preocupação a terrível situação do Egipto, que sofre devido às divisões internas, aos actos terroristas e às violências deliberadas contra pessoas inocentes, quer cristãs quer muçulmanas. As instituições governamentais foram atacadas, numerosos soldados egípcios e policiais foram assassinados, propriedades públicas foram destruídas e  igrejas cristãs foram profanadas». As «profanações e o incêndio das igrejas», continua o documento, «é um escândalo sem precedentes e vai contra os valores da tolerância, que por séculos animaram o Egipto. Apreciamos o facto de que muitos muçulmanos se alinharam ao  concidadãos cristãos para defender igrejas e instituições».

Condenando com força «estes actos de vandalismo realizados por alguns extremistas, os líderes religiosos fazem apelo «a todas as partes para que ponham fim à violência e aos assassínios e trabalhem para a unidade nacional, sem a qual o Egipto corre o risco da guerra civil. Estamos ao lado do povo egípcio na sua luta contra o terrorismo e as facções opostas, quer localmente quer a nível internacional. Expressamos a nossa solidariedade e a nossa proximidade a todas as vítimas e rezamos pela cura dos feridos e por quantos sofrem». Rezamos «ao único Deus», concluíram os representantes religiosos, «para que ilumine os líderes egípcios, a fim de que salvem os valores da democracia, a dignidade de todos e a liberdade religiosa».

O documento foi assinado por representantes católicos, ortodoxos e protestantes e pela Custódia da Terra Santa.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Janeiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS