Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para quebrar o isolamento

· A 22 de Novembro Francisco encontrará o mundo do autismo ·

Sábado 22 de Novembro «o Papa encontrar-se-á oficialmente pela primeira vez com o delicado e complexo mundo do autismo». Ao lado de Francisco estarão pessoas que vivem esta experiência, juntamente com os seus familiares, as associações que procuram garantir curas e direitos e também os protagonistas da comunidade científica internacional comprometidos em primeira linha na pesquisa. 

Este esperado encontro, previsto para o meio-dia na Sala Paulo VI, será o momento culminante da vigésima nona conferência internacional promovida pelo Pontifício Conselho para a Pastoral no campo da saúde sobre o tema «A pessoa com distúrbios do espectro autista: animar a esperança». Os trabalhos iniciarão na manhã do dia 20, na sala do Sínodo.

Apresentando a iniciativa – no dia 18, na Sala de imprensa da Santa Sé – o arcebispo Zygmunt Zimowski, presidente do dicastério, reafirmou imediatamente o compromisso prioritário da Igreja ao lado de todas as pessoas que sofrem. E o autismo com todas as suas graves implicações, «entre ignorância e difundida rejeição social», interpela-nos cada vez mais. Por esta razão, a conferência enfrentará a questão com um projecto de trabalho a ritmo acelerado, para deixar a palavra a «peritos, cientistas, pesquisadores e especialistas do mundo inteiro convidados – disse o arcebispo – para um confronto interdisciplinar e para estudar os distúrbios do espectro autista sob o ponto de vista médico, psicológico, familiar, social, pastoral e religioso». E assim, especificou D. Zimowski, «a conferência estruturar-se-á segundo algumas directrizes principais: a epidemiologia e a política de saúde, nacional e internacional; a pesquisa, a prevenção e as contribuições terapêuticas; o diagnóstico precoce e a identificação dos distúrbios; os tratamentos farmacológicos e comportamentais; os aspectos sócio-culturais, educativos, e as abordagens teológicas e pastorais.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

6 de Dezembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS