Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para ouvir todos os jovens

· ​Na audiência geral o Papa anunciou uma reunião pré-sinodal aberta inclusive aos fiéis de outras religiões e não-crentes ·

Terá lugar de 19 a 24 de março próximo uma reunião pré-sinodal «para a qual estão convidados jovens provenientes» do mundo inteiro: não só católicos mas também «de diversas confissões cristãs e outras religiões, ou não-crentes», anunciou o Papa Francisco ao saudar os grupos de fiéis presentes na praça de São Pedro no final da audiência geral de quarta-feira, 4 de outubro.

Convocada pela secretaria geral do Sínodo dos bispos, a iniciativa insere-se no caminho de preparação para a próxima assembleia de outubro de 2018, que terá como tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. «Com tal caminho – explicou o Pontífice – a Igreja deseja pôr-se à escuta da voz, da sensibilidade, da fé e também das dúvidas e críticas dos jovens». Precedentemente, o Papa deu prosseguimento às catequeses sobre o tema da esperança cristã à luz da Palavra. Comentando o excerto bíblico tirado de Lucas 24, 36-41, aprofundou o tema «missionários de esperança hoje» e confidenciou que o desejou fazer «no início do mês de outubro, que na Igreja é dedicado de modo especial à missão, e também na festa de São Francisco de Assis, que foi um grande missionário de esperança».

O pressuposto da reflexão pontifícia foi que os cristãos não são «profetas de desventura», mas «anunciadores da ressurreição de Jesus»; e «não só com palavras mas com factos e com o testemunho de vida». Porque Cristo quer «pessoas que propaguem esperança com o seu modo de acolher, sorrir e amar». De facto, explicou Francisco, «há algo “mais” que reside na existência cristã, e que não se explica simplesmente com a força de ânimo ou um otimismo maior». É como se – acrescentou com uma imagem particularmente evocativa – «os crentes fossem pessoas com um “pedaço de céu” a mais sobre a cabeça? Eis então, consequentemente, que «a tarefa dos cristãos é abrir espaços de salvação, como células de regeneração capazes de restituir linfa ao que parecia estar perdido para sempre. Quando o céu está todo enevoado, quem sabe falar de sol é uma bênção». E o «verdadeiro cristão» é precisamente «assim: não é lamentoso nem zangado, mas convicto, pela força da ressurreição, de que mal algum é infinito, noite alguma é infinita, homem algum está definitivamente errado, ódio algum é invencível». E a este propósito convidou os presentes a pensar «nos nossos irmãos, nas nossas irmãs do Médio Oriente que dão testemunho de esperança».

Audiência geral  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS