Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Olhar para além

· O Papa Francisco na audiência geral retoma a reflexão sobre os dons do Espírito Santo e fala do intelecto ·

O intelecto é o dom do Espírito Santo em virtude do qual podemos reconhecer o Senhor que caminha ao nosso lado e que nos faz entender tudo «com a inteligência de Deus». Ao segundo dom do Espírito Santo – no dia 9 de Abril pronunciou a catequese sobre o dom da sabedoria – o Papa Francisco dedicou a reflexão proposta aos fiéis presentes esta manhã, quarta-feira 30 de Abril, na praça de São Pedro por ocasião da audiência geral. Trata-se de um dom, explicou, que nada tem a ver com a inteligência humana, com a «capacidade intelectual da qual podemos ser mais ou menos dotados». Aliás, frisou, «é uma graça que só o Espírito Santo pode infundir» e que «suscita no cristão a capacidade de ir além do aspecto externo da realidade e perscrutar a profundidade do pensamento de Deus e do seu desígnio de salvação».

Consiste precisamente nisto a diferença entre o dom do intelecto – que «permite intus legere, isto é, “ler dentro”», explicou – e a inteligência do homem: a segunda, explicou o Papa Francisco, consente compreender algo, até com prudência, o intelecto faz entender «em profundidade, como Deus o compreende». E isto «é um lindo presente que o Senhor ofereceu a todos nós».

Aliás, é um dom «que devemos pedir – disse, dirigindo-se aos presentes – juntos: dai-nos, Senhor, o dom do intelecto».

Para tornar ainda mais claro o sentido do seu discurso o Papa Francisco citou um episódio do Evangelho de Lucas, o trecho no qual se narra a experiência dos discípulos de Emaús que não reconheceram o Senhor, o qual, ressuscitado, caminha ao seu lado, até quando Ele mesmo faz com que reflictam, ajuda-os a compreender e, por conseguinte, a reconhecê-lo. «É isto – acrescentou o bispo de Roma – que o Espírito Santo faz connosco: abre-nos a mente para entender melhor as coisas de Deus, as coisas humanas, as situações».

Antes de concluir o encontro o Papa Francisco, como de costume, saudou os vários grupos de peregrinos presentes na audiência. Dirigindo-se aos fiéis italianos e polacos aproveitou a ocasião para recordar a celebração pela canonização de são João XXIII e de são João Paulo II que presidiu no domingo passado, 27 de Abril.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

12 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS