Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Para o rebanho, não para a carreira

· Missa em Santa Marta ·

Somos bispos pelo rebanho e não pela carreira: o último conselho presbiteral de São Paulo, uma verdadeira «despedida», é o melhor «testamento» possível pois no centro de tudo está Jesus Cristo. As palavras do apóstolo foram recordadas pelo Papa Francisco na missa celebrada na manhã de terça-feira, 15 de maio, em Santa Marta.

«Na primeira leitura tirada do livro dos Atos dos Apóstolos – afirmou o Pontífice referindo-se ao trecho litúrgico (20, 17-27) – ouvimos a despedida de Paulo, a despedida de um apóstolo, do bispo: é um excerto vigoroso, que comove o coração». Mas «é também um trecho que nos mostra o caminho de cada bispo na hora da despedida». E deste discurso «metade é lida hoje e metade amanhã», observou o Papa, acrescentando: «Farei mais um comentário que uma homilia, comentarei este trecho». Porque «o excerto fala por si».

«Paulo faz vir os presbíteros de Mileto a Éfeso», explicou Francisco. Praticamente «realiza uma reunião do conselho presbiteral com os presbíteros para se despedir deles: tem que ir embora». E «quando estão reunidos – “quando chegaram, e estando todos reunidos, disse-lhes”, lê-se no livro – começa primeiro com um exame de consciência: “Vós sabeis de que modo sempre me tenho comportado para convosco, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia”». Paulo «diz o que pensa que fizera, aquilo que fez, e submete-o ao juízo de todos», como «uma espécie de exame de consciência do bispo diante do seu presbitério».

«Lendo isto com a nossa mentalidade – afirmou o Pontífice – pode parecer que Paulo seja um pouco orgulhoso, que se vanglorie demais». Mas «Paulo é objetivo, diz o que realizou» e «só se vangloria de dois aspetos: dos próprios pecados e da cruz de Jesus que o salvou». Noutro trecho, «observando-se a si mesmo, diz: “Mas sou um pecador, persegui os cristãos, matei. Sou como o fruto de um aborto” – faz uma descrição chocante de si mesmo – “vanglorio-me de tudo isto” e “olho para o Senhor mas também vanglorio-me de Jesus que me salvou, me chamou, me escolheu”».

Quando Paulo «profere essas palavras – explicou o Papa – é objetivo: diz o que fez, mas o seu espírito está distante de qualquer vaidade humana. É real». Portanto, o apóstolo, «depois deste exame de consciência tão claro que ouvimos, noutro trecho afirma: “Constrangido pelo Espírito, vou a Jerusalém”». Por conseguinte, Paulo vive «esta experiência de bispo: o bispo que sabe discernir o Espírito, sabe discernir quando é o Espírito de Deus que fala e sabe defender-se quando fala o espírito do mundo».

Assim «constrangido pelo Espírito, sem saber o que me acontecerá», Paulo «vai em frente; sabia na escuridão, mas sabia, porque um profeta lhe revelara isto». E depois o apóstolo «explica porque sabia: “Só sei que, de cidade em cidade, o Espírito Santo me assegura que me esperam em Jerusalém cadeias e perseguições”». Conscientemente Paulo «vai rumo à tribulação, à cruz e isto faz-nos pensar na entrada de Jesus em Jerusalém: ele entra para sofrer e Paulo vai rumo à paixão», dizendo praticamente: «não me importa a minha vida, contanto que o Senhor conduza até ao fim a minha corrida e o serviço que me foi confiado».

Com este espírito Paulo «dá o serviço, oferece a vida; vê-se o rebento do martírio, o mártir. Oferece-se ao Senhor, obediente». Então, o sentido de “constrangido pelo Espírito”; o bispo que vai sempre em frente, mas segundo o Espírito Santo». «Este é Paulo», afirmou o Pontífice.

Aquele mesmo Paulo que depois dá o «terceiro passo: após ter feito o exame de consciência, dito onde iria e o que o espera, ele dá o terceiro passo: “Sei agora que não tornareis a ver a minha face, todos vós, por entre os quais andei pregando o Reino de Deus”». Desde modo Paulo «despede-se». Esta expressão « não tornareis a ver a minha face» que o apóstolo escreve, afirmou o Papa «é como se fosse a morte, com aquela ternura».

E, acrescentou o Pontífice, «o texto continua e será lido amanhã». Assim «depois de ter dito “ não nos voltaremos a ver”, começa a dar conselhos». E «neste testamento Paulo não aconselha: “os objetos que deixo dai-os a alguém...”». Não é «o testamento mundano», porque «o seu amor grande é Jesus Cristo» e «o segundo amor, o rebanho». E afirma: «Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho».

Portanto, exorta Paulo, «vigiai o rebanho; sois bispos para o rebanho, para cuidar do rebanho, não para vos agarrar a uma carreira eclesiástica». Eis a sua «despedida»: “Como eu fiz, fazei vós: cuidai de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus”»

Mas Paulo «explica» também «por que aconselha vigiar: “Sei que depois da minha partida se introduzirão entre vós lobos cruéis, que não pouparão o rebanho. Mesmo dentre vós surgirão homens que hão de proferir doutrinas perversas, com o intento de arrebatarem após si os discípulos. Vigiai! Lembrai-vos, portanto, de que por três anos não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós». E assim Paulo, explicou o Papa, «volta ao exame de consciência: lembrai o que fiz e vigiai no futuro».

O apóstolo «termina com o coração grande, o coração humilde do homem que sabe que nada pode fazer: “Agora eu vos encomendo a Deus e à palavra da sua graça”». Pretendendo dizer: «Deus preservar-vos-á, ajudar-vos-á, dar-vos-á a força: ele tem o poder de edificar e concede a herança a todos que por ele são santificados». Depois o apóstolo «volta mais uma vez ao exame de consciência: “Prestai atenção, de ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes”». Paulo é «pobre». E, referem os Atos, «depois de ter dito isto, ajoelhou-se com todos eles e rezou».

Deste modo, afirmou o Papa, «acaba essa sessão do conselho presbiteral – a última em Éfeso – com a oração». Lê-se também nos Atos «Derramaram-se em lágrimas e lançaram-se ao pescoço de Paulo para abraçá-lo, aflitos, sobretudo pela palavra que tinha dito: Já não vereis a minha face. Em seguida, acompanharam-no até o navio». Nestas palavras, sugeriu Francisco, há «o amor, a ternura dos presbíteros para com o seu bispo: o beijo, o abraço, o pranto».

«O testamento de Paulo é um testemunho e também um anúncio» e «inclusive um desafio: “Eu percorri o meu caminho. Continuai vós”». Mas, observou o Papa, «como é distante este legado dos testamentos mundanos: “Isto deixo a fulano, a sicrano...”». Com «tantos bens» para distribuir.

«Paulo – insistiu o Pontífice – nada possuía, só a graça de Deus, a coragem apostólica, a revelação de Jesus Cristo e a salvação que o Senhor lhe concedeu». E, confidenciou o Papa, «quando leio isto, penso em mim. Porque sou bispo e devo despedir-me. Peço ao Senhor a graça de poder despedir-me deste modo. E no exame de consciência não sairei vencedor como Paulo, mas o Senhor é bom, é misericordioso». E, acrescentou Francisco, «penso nos bispos, em todos os bispos: que o Senhor conceda a graça a todos nós de poder despedir-nos assim, com este espírito, com este vigor, com este amor por Jesus Cristo, com esta confiança no Espírito Santo». E, concluiu, «rezemos por todos os bispos, a fim de que caminhem pela via de Paulo para poder, no final, deixar um testamento como este».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Novembro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS