Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Para encontrar alívio verdadeiro

· ​No Angelus o Pontífice falou do repouso de verão ·

Para quem «nos meses de verão» procura um pouco de repouso de tudo aquilo que cansa o corpo», o Papa Francisco recomendou que não se esqueça «de encontrar alívio verdadeiro no Senhor». No Angelus de 9 de julho, dirigindo-se aos numerosos fiéis presentes na praça de São Pedro, não obstante o grande calor, o Pontífice exortou a não deixar de ir «ter com Jesus», de lhe dar «o nosso tempo», de o encontrar «todos os dias na oração, num diálogo confiante», familiarizando «com a sua Palavra», redescobrindo «o seu perdão», saciando-se «com o seu Pão de vida».

Como de costume, para a reflexão Francisco inspirou-se no Evangelho dominical e analisando a frase de Jesus referida por Mateus – «Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei» (11, 28) – realçou imediatamente que o Senhor sabe muito bem «quanto a vida pode ser difícil: desilusões e feridas, injustiças sofridas, incertezas e preocupações». Portanto, convidou a «mover-se e a reagir» embora «nos momentos obscuros é natural estar sozinho consigo mesmo, remoer sobre quanto a vida é injusta, sobre quão são ingratos os outros e como é maldoso o mundo». Mas, deste modo, advertiu o Papa «chegamos a familiarizar com a tristeza, que vem a habitar na nossa casa e nos cansa». Ao contrário, Jesus «quer tirar-nos destas “areias movediças”».

A este propósito, Francisco admoestou contra as “metas ilusórias”, os numerosos “fogos de artifício” que «prometem alívio e distraem somente um pouco, deixando-nos depois na solidão anterior». Então, sugere o Evangelho, «diante de um peso ou de uma situação que faz sofrer» seria melhor tentar «falar com alguém». Embora, nunca devemos esquecer de Jesus. «Por vezes, há algumas “zonas” da nossa vida que jamais abrimos a Ele – observou o Pontífice – que ficaram obscuras». Motivo pelo qual, «se alguém tiver esta zona obscura» está convidado a procurar Jesus, indo ter com um missionário da misericórdia ou com um sacerdote. Porque, concluiu Francisco, «Jesus diz a cada um de nós: coragem, não desista. Ele espera por nós, espera-nos sempre, não para resolver magicamente os nossos problemas, mas para nos tornar mais fortes. Não nos tira os pesos da vida, mas sim a angústia do coração; não suprime a cruz, mas carrega-a juntamente connosco»

Angelus do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS