Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Pacificadores

· Mensagem de Bento XVI para o dia mundial no cinquentenário do início do Concílio Vaticano II e da «Pacem in terris» ·

Um pequeno vade-mécum para o compromisso dos católicos na vida social, económica e política, fundamentado no programa das bem-aventuranças: é a mensagem de Bento XVI para o próximo Dia mundial da paz, que se celebra no dia 1 de Janeiro de 2013.

Apresentado hoje de manhã, 14 de Dezembro na sala de Imprensa da Santa Sé, o documento do Papa  propõe-se como instrumento de reflexão para superar os «conflitos sangrentos ainda em curso» e os «focos de tensão e de oposição causados por crescentes desigualdades entre ricos e pobres, pelo predomínio de uma mentalidade egoísta e individualista, expressa também por um capitalismo financeiro  desregrado». Na análise do Pontífice não faltam inclusive referências ao terrorismo e à criminalidade internacional, aos fundamentalismos e aos fanatismos, «que invertem a verdadeira natureza da religião», e sobretudo ao drama da fome, porque a crise alimentar  — recorda Bento XVI — é «muito mais grave que a financeira».

A resposta a estes desafios encontra-se precisamente nas bem-aventuranças evangélicas, graças às quais — para o Pontífice — é possível edificar uma sociedade «fundada na verdade, na liberdade, no amor e na justiça». Mas a fim de que isto aconteça, deve ser desmantelada a ditadura do relativismo, com o seu corolário de uma moral totalmente autónoma da lei natural «inscrita por Deus na consciência de cada homem».

De resto, a verdadeira paz é «dom de Deus e obra do homem». Por isso, o Pontífice propõe um «novo modelo económico» que substitua «aquele que predominou ao longo das últimas décadas», com a sua equivocada «busca da maximização do lucro e do consumo, numa perspectiva individualista e egoísta, destinada a considerar as pessoas apenas pela sua capacidade de responder às exigências da competitividade». O modelo almejado por Bento XVI, ao contrário, fundamenta-se na fraternidade e na partilha, na gratuidade e na lógica do dom.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS