Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ouvir verdadeiramente e falar com coragem

· ​​Ao dar início ao sínodo sobre os jovens o Papa indicou a assembleia como um espaço de diálogo e de discernimento ·

Falar com coragem e ouvir com humildade. Ao abrir os trabalhos do sínodo dedicado aos jovens na tarde de quarta-feira, 3 de outubro, o Papa exortou os bispos à parrésia, uma atitude na qual se exprimem simultaneamente «liberdade, verdade e caridade». Antes dos pronunciamentos do secretário-geral e do relator-geral, o Pontífice dirigiu-se aos participantes na primeira congregação para reafirmar que o sínodo «é um momento de partilha» e «um exercício de diálogo», convidando os padres a «fazer-se voz» dos jovens do mundo e recordando que «uma crítica honesta e transparente é construtiva e ajuda, ao contrário das bisbilhotices inúteis, das murmurações, das ilações ou dos preconceitos». Neste espírito, o Papa pediu aos presentes para se abrirem às novidades e se sentirem «livres para aceitar e compreender os outros», inclusive através da disponibilidade para «mudar as nossas convicções e posições: é sinal de grande maturidade humana e espiritual».

«Franqueza no falar» e «abertura na escuta» são «fundamentais», segundo Francisco, para garantir que o sínodo se torne «exercício eclesial de discernimento». Por isso, exortou, «somos chamados a colocar-nos à escuta daquilo que nos sugere o Espírito, segundo modalidades e direções muitas vezes imprevisíveis».

Mas, frisou, «a atitude de escuta não se pode limitar às palavras que trocaremos entre nós nos trabalhos sinodais». Com efeito, é preciso antes de tudo libertar «as nossas mentes e os nossos corações de preconceitos e estereótipos», evitando o perigo de falar aos jovens «a partir de categorias e esquemas mentais já superados». Além disso, é necessário «superar decididamente o flagelo do clericalismo» – na raiz de «muitos males» pelos quais a Igreja deve «pedir humildemente perdão» – e, ao mesmo tempo, « curar o vírus da autossuficiência e das conclusões precipitadas de muitos jovens».

Os trabalhos do sínodo prosseguiram na manhã de quinta-feira 4 com a segunda congregação geral.

Discurso inaugural do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

7 de Dezembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS