Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Outra justiça

· Na audiência geral o Papa recordou que Deus não quer a nossa condenação mas a nossa salvação ·

«Deus não quer a nossa condenação, mas a nossa salvação». E mais, «não quer a condenação de ninguém»; aliás, «queria salvar Pilatos e também Judas», porque o «Senhor da misericórdia deseja salvar todos». Afirmou o Papa Francisco dando prosseguimento às reflexões sobre o tema jubilar na audiência geral de quarta-feira, 3 de Fevereiro, na praça de São Pedro.

Mencionando a necessidade de conciliar «a realidade da misericórdia com as exigências da justiça», o Pontífice afirmou que só a misericórdia divina leva «ao cumprimento a verdadeira justiça». Antes, pelo contrário – notou – «o problema é deixar que ele entre no coração». E neste sentido, «todas as palavras dos profetas são um apelo apaixonado e cheio de amor que procura a nossa conversão».

De resto, existem diversos níveis de justiça. No caso da «administração legal, trata-se de uma justiça retributiva, que inflige uma pena ao culpado». E no entanto «este caminho não vence o mal, limita-o» somente. Mas, explicou Francisco, «só respondendo com o bem o mal pode ser vencido». De facto, neste caso estamos diante de «outro modo de fazer justiça», aquele «que a Bíblia apresenta como via mestra» e «prevê que a vítima se dirija directamente ao culpado para o exortar à conversão». E deste modo, «finalmente arrependido», quem errou «pode abrir-se ao perdão». Recordando que «este é o modo de resolver os contrastes no seio da família, nas relações entre esposos ou entre pais e filhos, na qual o ofendido ama o culpado e deseja salvar a relação», o Papa afirmou que está ciente de que se trata de «um caminho difícil. Mas só se o culpado reconhecer o mal cometido e deixar de o praticar este já não existe» e quem era injusto é perdoado.

Eis então a estrada indicada por Deus, que age precisamente desta maneira. Daqui também a grande responsabilidade dos confessores, «porque o filho, a filha que vem ter contigo – concluiu dirigindo-se aos sacerdotes – espera só encontrar um pai».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS