Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ou Jesus ou o mal

· ​Apelo do Papa Francisco durante a audiência aos fiéis da diocese de Cassano all'Jonio ·

«A quantos escolheram o caminho do mal e estão filiados em organizações criminosas renovo o convite urgente à conversão». Encontrando-se com os fiéis da diocese calabresa de Cassano all'Jonio – recebidos em audiência na manhã de sábado 21 de Fevereiro, na Sala Paulo VI – o Papa lançou um novo apelo a quantos «com a malvadez e a arrogância típica dos criminosos fazem da ilegalidade o seu estilo de vida».

A escolha, disse claramente, é: «ou Jesus ou o mal». Não podemos dizer que somos cristãos – afirmou – e «violar a dignidade das pessoas» nem «programar e praticar gestos de violência contra os outros nem contra o meio ambiente». Os próprios «gestos exteriores de religiosidade», se não forem acompanhados «por uma verdadeira e pública conversão», não são suficientes «para se considerar em comunhão com Cristo e com a sua Igreja».

«Abri o vosso coração ao Senhor!» repetiu o Pontífice, dirigindo-se directamente aos infractores. E garantiu: «O Senhor espera-vos e a Igreja recebe-vos se – assim como foi pública a vossa escolha de servir o mal – for clara e pública também a vossa vontade de servir o bem».

No discurso aos peregrinos da diocese – com os quais estavam também os representantes da comunidade Emmanuel, comprometida na recuperação humana e social dos jovens – Francisco evocou «a beleza» da terra calabresa, recordando que é «um dom de Deus e um património que deve ser conservado e transmitido em todo o seu esplendor às futuras gerações». Por isso invocou «o compromisso corajoso de todos, iniciando das instituições, a fim de que não seja aviltada de maneira irreparável por interesses mesquinhos».

Às comunidades cristãs, em particular, o Papa pediu que sejam «protagonistas de solidariedade» e exortou-as «a não se deter diante de quem, por mero interesse pessoal, semeia egoísmo, violência e injustiça» entre as pessoas. «Oponde-vos – disse – contra a cultura da morte e sede testemunhas do Evangelho da vida! A luz da Palavra de Deus e o apoio do Espírito Santo vos ajudem a ver com um olhar renovado e disponível as novas formas de pobreza que lançam no desespero muitos jovens e famílias»

Discurso do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS