Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Os riscos da filantropia

· Controle demográfico e desinformação ·

Há alguns dias, durante um encontro organizado em Londres pela Fundação Bill & Melinda Gates, pelas Nações Unidas e pelo Governo britânico, a esposa do fundador de Microsoft anunciou que nos próximos oito anos gastará 450 milhões de euros para pesquisar novas técnicas de controle demográfico, melhorar a informação sobre a contracepção e disponibilizar serviços e instrumentos nos países mais pobres do planeta, sobretudo na África. Numa entrevista à Cnn, Melinda Gates esclareceu que para ela, católica, oferecer às mulheres um acesso melhor à contracepção é um compromisso a tempo inteiro. E ao jornal «The Guardian» revelou a sua dificuldade como crente, consciente de que os 450 milhões de euros representam um desafio à hierarquia eclesiástica.
Na realidade, a filantropa americana não tem ideias bem claras, confusa como se encontra pela má informação e pelos estereótipos que persistem a este propósito. Acreditar ainda numa Igreja católica que, contrária ao preservativo, deixa morrer mulheres e crianças por intransigência misógina é uma leitura infundada e vulgar.

Come escreveu na Humanae vitae Paulo VI (também a vítima mais evidente deste tipo de deturpação), a Igreja é favorável à regulamentação natural da fertilidade, ou seja, àqueles métodos fundados na escuta das indicações e das mensagens oferecidas pelo corpo. Para demonstrar que não se trata de bizantinismos abstractos, mas de medidas concretas e eficazes, recordamos os cônjuges australianos John e Evelyn Billings, descobridores do método de regulamentação natural da fertilidade, chamado Bom ( Billings Ovulation Method ): as mulheres podem saber assim se são férteis ou não e, a partir desta realidade, podem escolher o seu comportamento sexual. Um exemplo – desconhecido mas clamoroso – do sucesso do Bom foi a sua transferência para a China. Com efeito, o Governo comunista de Pequim  estava muito interessado num método de regulamentação que não custava nada e não prejudicava a saúde da mulher, um método considerado 98% seguro.

Ao lado das infundadas  acusações de fracasso e de resultados escassos, acerca do método Billings ainda hoje subsiste um cepticismo difundido, se não mesmo um sorriso de condescendência por uma descoberta considerada acientífica, pré-científica, primitiva e terrivelmente ingénua. Todas estas acusações são infundadas, e provavelmente difundidas não por acaso.

A questão é que aos olhos de uma certa parte do mundo, o Bom tem uma inconveniente duplo. Antes de tudo, tratando-se de um método simples de compreender e fácil de adoptar, é controlável em autonomia e consciência pelas próprias mulheres, mesmo pelas analfabetas, sem necessidade de qualquer forma de mediação. Mas em segundo lugar – e principalmente – o seu pecado original e imperdoável está no facto de ser um remédio completamente gratuito. Aspecto este que, é evidente, o torna fortemente malquisto pelas indústrias farmacêuticas, que com a contracepção química obtêm, ao contrário, lucros enormes. Como de resto acontecerá graças à filantropia da senhora Gates.

Cada um é livre de fazer beneficência a quem quiser. É-o menos, porém, de se obstinar na desinformação, apresentando as realidades por aquilo que não são. Caso contrário, corre-se o risco de decair (às vezes até de forma ingénua) em políticas como a da Nestlé. Como é tristemente notório, esta multinacional ofereceu astuta e incorrectamente às mulheres africanas leite em pó para os seus recém-nascidos, mediante amostras grátis que duram o tempo necessário para esgotar nas mães o leite natural. Nessa altura, elas são obrigadas a comprá-lo: através de campanhas publicitárias que apresentam a amamentação ao seio como bárbaro e o artificial como moderno e civil; graças também a pressões psicológicas de vários tipos, por obra de misteriosos médicos e enfermeiros, criando assim uma necessidade, em nome da beneficência e em vista do lucro. Não é esta a intenção dos 450 milhões de euros mas, prescindindo contudo das declarações de circunstância, um pouco de informação correcta faria verdadeiramente bem a todas.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS