Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Os novos crucificados

· Em diálogo com o arcebispo Bregantini sobre as meditações da Via-Sacra no Coliseu ·

Os inocentes que morrem devido à poluição na Terra dei fuochi (Terra dos fogos, na região italiana da Campânia); os imigrantes que morrem afogados quando já estão para alcançar a margem da esperança; as crianças, as mulheres, os novos escravos vítimas do tráfico de seres humanos; quantos procuram na morte a salvação do desespero de não poder levar o pão para casa; os cristãos perseguidos e torturados por causa da própria fé; os presos nas prisões superlotadas; os doentes terminais sobre cuja pele muitas vezes se especula. «São eles os novos Crucificados – afirma convicto D. Giancarlo Maria Bregantini, arcebispo de Campobasso-Boaino, autor das meditações para a Via-Sacra presidida pelo Papa no final da tarde de 18 de Março, sesta-feira santa, no Coliseu - os protagonistas das verdadeiras meditações da Via-Sacra propostas pelo Papa Francisco no seu ministério diário». O arcebispo falou sobre esta questão numa entrevista ao nosso jornal.

É esta a chave de leitura que podemos dar às meditações?

Procurei realçar a face de Cristo e a face do homem; ou seja, evidenciar a dignidade da pessoa ferida pelo pecado, pela dor e pela morte, iluminada contudo pelo rosto de Jesus. Com efeito, cada estação está focalizada em torno de uma ferida do mundo de hoje.

Temas especiais?

São todos temas tirados da exortação apostólica Evangelii gaudium. Este é o fio condutor de todo o caminho. De facto, a verdadeira meditação da Via-Sacra é feita pelo Papa Francisco com a sua catequese diária, com as suas intervenções e com os seus gestos. Procurei tornar-me intérprete de alguns problemas de hoje, vividos à luz da fragilidade humana: o peso da crise, os imigrantes, os doentes, sobretudo os doentes terminais e quantos morrem devido à poluição da «Terra dei fuochi». Mas também da experiência do cárcere, da tortura, da solidão. Realidades de todos os dias todavia remidas pela cruz carregada por Jesus.

Qual'é a mensagem que a Via-Sacra quer transmitir?

A Via-Sacra é uma catequese viva em torno de um rosto desfigurado pelo amor. Esta é a sua beleza. E esta face é eloquente e fala tanto aos jovens como aos avós. É a face da vida, da história, da dor, mas também da sabedoria. O rosto de Cristo, com efeito, ilumina o rosto do homem. Estes dois rostos cruzam-se de estação em estação, caracterizando-se segundo situações sempre novas.

Nicola Gori

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Janeiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS