Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Os homens

· Mulheres igreja mundo – Setembro de 2014 ·

«Varão e mulher os criou» (Génesis 1, 27). Compreendido, criticado, instrumentalizado, lido e relido: é o maravilhoso hino à diferença da qual ninguém conseguiu realmente revelar o mistério. Que significa ser mulheres e homens? De recente houve quem a contestou, mas a diferença entre os sexos é uma realidade, vigilante sobre o passado e aberta ao futuro. Tão real quanto indefinível. Em 1963, a Oriana Falace que o entrevistava, o toureiro espanhol Antonio Ordóñez respondeu: «Não compreendo certas diferenças. 

Os touros são todos touros e os homens são todos homens. Pretendo dizer que a única diferença entre nós os dois que não somos touros é que a senhora é mulher e eu sou homem». É verdade que ao longo dos séculos a diferença significou prevaricação, violência e hierarquia, mas certamente não é negando-a que eliminamos a misoginia, com todas as suas declinações dissimuladas. A diferença, disto temos a certeza, ainda deve ser indagada. Limitá-la ao que a sociedade, nos séculos, teorizou é errado e desviante. A 5 de Outubro de 1941, numa página do seu diário escrito em Praga, ocupada pelos nazis, uma menina judia anotava: «Entretanto, em casa, o pai cozinha. Talvez ressoe um pouco estranho, mas fazem-no quase todos os judeus. Senão o que fariam o dia inteiro? No fundo, já passaram três anos desde quando perderam o trabalho. É incrível os progressos que três anos de prática permitem alcançar. Antes o pai não sabia fazer nem sequer um chá, e agora prepara sozinho doces e até o almoço. Eva e o seu pai jogam a quem acaba primeiro as tarefas de casa e controlam-se reciprocamente para ver quem limpou melhor o parqué, o fogão ou os pratos». Mas se a diferença entre as mulheres e os homens, como explica Helga Weiss, não consiste na contraposição entre òikos e agorà, em que consiste então? Precisamente para procurar revelar algo mais sobre as conotações deste binómio entre iguais, escolhemos – nós de «mulheres igreja mundo» – reflectir sobre os homens dando-lhes a palavra. Do Papa ao jornalista, do cardeal ao prior: narrando-se e narrando-os através das suas vozes e das suas acções. Porque – como em qualquer âmbito da vida e da história – o encontro e o intercâmbio só têm sentido se nos pusermos falando, pelo menos um pouco, no lugar dos outros.

Giulia Galeotti

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS