Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Os bispos homens de oração, de anúncio e de comunhão

· O Papa num encontro promovido pela Congregação para a evangelização dos povos ·

E às monjas beneditinas pediu para serem ícones da Igreja e de Nossa Senhora

Homem de oração, de anúncio e de comunhão: eis o perfil do bispo segundo o Papa Francisco, que na manhã de sábado 8 de setembro recebeu em audiência na Sala Clementina os prelados que participaram no seminário promovido pela Congregação para a Evangelização dos povos. No encontro, que decorre até sábado 15 em Roma, no Pontifício colégio missionário internacional de São Paulo Apóstolo, participam 74 bispos provenientes de 34 nações de quatro continentes: 17 da África, 8 da Ásia, 6 da Oceânia e 3 da América Latina.

No seu discurso o Pontífice frisou, entre outras coisas, a necessidade da oração, que constitui um «ministério de intercessão indispensável», e recordou que «o Evangelho não se anuncia sentados, mas a caminho»: com efeito, o pastor «não vive no escritório, como um administrador de empresa, mas entre o povo, pelas estradas do mundo, como Jesus». Francisco alertou também contra os que não trabalham para «cimentar a comunhão» mas preferem ser «solistas fora do coro» ou «líderes de batalhas pessoais». O bispo, ao contrário, «não é notícia nos jornais, não procura o consenso do mundo, não está interessado em tutelar o seu bom nome, mas gosta de tecer a comunhão comprometendo-se em primeira pessoa e agindo de maneira abnegada». Por fim, o Papa fez apelou novamente a que seja evitado «o clericalismo», que favorece «comportamentos de abuso de poder, de consciência e sexual».

Anteriormente Francisco recebeu em audiência as participantes num congresso da União internacional das beneditinas, as quais exortou a ser «irmãs na fé» para «quantos sofrem injustiças, guerras e violências», e a viver como «ícones da Igreja e de Nossa Senhora». E à Mãe de Deus, no dia em que a Igreja celebra a festa da natividade da bem-aventurada Virgem Maria, o Pontífice dedicou também o tweet postado no final da manhã na conta @Pontifex: «Que a Virgem Maria nos ajude a abandonar-nos com alegria ao desígnio de Deus para a nossa vida».

Discurso do Papa aos bispos

Discurso do Papa à União internacional das beneditinas

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS