Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Onde se funda a nossa esperança

· Mensagem do Papa para quinquagésimo Dia mundial de oração pelas vocações ·

«As vocações sinal de esperança fundada na fé»: é o tema da mensagem de Bento XVI para o quinquagésimo Dia mundial de oração pelas vocações, que se celebrará a 21 de Abril de 2013, quarto domingo de Páscoa. «Também hoje – escreve o Pontífice – Jesus, o Ressuscitado, passa ao longo dos caminhos da nossa vida, e continua a dirigir-nos a sua palavra; chama-nos a realizar a nossa vida com Ele, o único capaz de satisfazer a nossa sede de esperança».

O Papa recorda que o amor de Deus, que se manifestou plenamente em Cristo, «interpela a nossa existência, pede uma resposta sobre o que cada um pretende fazer da própria vida, sobre o que está disposto a pôr em jogo para a realizar plenamente» Ele «segue por vezes percursos impensáveis, mas alcança sempre aqueles que se deixam encontrar».

«O que seria a vossa vida sem este amor?» pergunta Bento XVI dirigindo-se em particular aos jovens. E recorda-lhes que para aceitar o convite de Jesus «é preciso deixar escolher por si o próprio caminho». Com efeito, segui-lo «significa imergir a própria vontade na vontade de Jesus, dar-lhe deveras a precedência, pô-lo no primeiro lugar em relação a tudo o que faz parte da nossa vida: à família, ao trabalho, aos interesses pessoais, a si mesmos. Significa entregar a própria vida a Ele, viver com Ele em profunda intimidade, entrar através d'Ele em comunhão com o Pai no Espírito Santo e, por conseguinte, com os irmãos e as irmãs». Esta comunhão de vida com Jesus é precisamente «o lugar privilegiado no qual experimentar a esperança e onde a vida será livre e plena».

Portanto, as vocações sacerdotais e religiosas surgem «da experiência do encontro pessoal com Cristo, do diálogo sincero e confidente com Ele, para entrar na sua vontade». Para o Papa é necessário «crescer na experiência de fé, vista como relação profunda com Jesus, como escuta interior da sua voz, que ressoa dentro de nós». Um percurso espiritual que deve ser acompanhado pela oração e vivido no âmbito da comunidade cristã. «Espero que os jovens – conclui o Pontífice – entre tantas propostas superficiais e efémeras, saibam cultivar a atracção pelos valores, as metas altas, as escolhas radicais, para um serviço aos outros nas pegadas de Jesus. Queridos jovens, não tenhais medo de O seguir nem de percorrer as veredas exigentes e corajosas da caridade e do compromisso generoso!».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS