Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Onde é proibido rezar

· Missa em Santa Marta ·

Hoje os cristãos mártires e perseguidos são mais numerosos do que nos primórdios da Igreja e em certos países é até proibido rezar em comunidade. Foi sobre esta realidade dramática que o Papa centrou a sua meditação na missa celebrada na manhã de 4 de Abril em Santa Marta.

O trecho do livro da Sabedoria (2,1.12-22) proclamado na liturgia revela «como é o coração dos ímpios, de quantos se afastaram de Deus e se apoderaram da religião», e como é a sua «atitude em relação aos profetas», até à perseguição. São pessoas conscientes de estar diante de um justo, como diz a Escritura: «Cerquemos o justo, porque ele nos incomoda; é contrário às nossas obras».

Cercar, explicou o Papa, significa «difundir falatórios e calúnias». Assim, «preparam-se para destruir o justo». Não podem aceitar que haja um justo «contrário às nossas obras; ele censura-nos por violar a lei e acusa-nos de contrariar a nossa educação».

Palavras que delineiam o perfil dos profetas perseguidos «em toda a história da salvação». Foi Jesus quem «o disse aos fariseus», como narra «o célebre capítulo 23 de são Mateus, cuja leitura nos fará bem». Ele é explícito: «Os vossos pais mataram os profetas mas vós, para eliminar a sua culpa, mandais construir um bonito sepulcro para os profetas!».

Estamos diante de «uma hipocrisia histórica». «Na história da salvação os profetas foram sempre perseguidos». O profeta é um homem «que diz: errastes o caminho, percorrei a senda de Deus! Esta é a mensagem do profeta». Uma mensagem que «não agrada às pessoas que se apoderaram do caminho errado».

Também Jesus foi perseguido, como diz o Evangelho de hoje (Jo 7,1-2.10.25-30). Ele certamente «sabia qual seria o seu fim». As perseguições começaram cedo, quando «no início da sua pregação voltou ao seu povoado e pregou na sinagoga». Então, «logo após uma grande admiração começaram» as murmurações: «Nós sabemos de onde ele vem. Cristo, porém, quando vier, ninguém saberá de onde vem». E todos se interrogavam: «Com que autoridade nos ensina? Onde estudou?».

Em síntese, é a mesma atitude de sempre: «desqualificam o Senhor, o profeta, para lhe tirar a autoridade». É como se dissessem: «Faz milagres aos sábados, mas no sábado não se deve trabalhar e por isso ele é pecador! Come com os pecadores, e por isso não é um homem de Deus!». Assim, «desqualificam Jesus», porque Ele «saía e fazia sair do ambiente religioso fechado, da jaula». E «o profeta luta contra as pessoas que aprisionam o Espírito Santo» e por isto «é sempre perseguido». Os profetas «são marginalizados». Esta realidade «não acabou com a morte e ressurreição de Jesus», mas «continuou na Igreja».

Na Igreja há «perseguidos fora e dentro». Os santos «foram perseguidos»: quando lemos as suas vidas, vemos tantas «incompreensões e perseguições», pois dado que eram profetas diziam coisas «muito duras». E «tantos pensadores na Igreja foram perseguidos»: «Neste momento penso num deles, não muito distante de nós: um homem de boa vontade, um profeta autêntico que, com os seus livros, admoestava a Igreja a não se afastar do caminho do Senhor. Foi imediatamente chamado; os seus livros foram proibidos e tiraram-lhe a cátedra, e foi assim que este homem acabou a sua vida, há pouco tempo. Hoje ele é beato». Mas como, ontem era herege e hoje é beato?». Sim, «ontem quantos tinham o poder queriam silenciá-lo, porque não gostavam do que ele dizia. Hoje a Igreja, que graças a Deus sabe arrepender-se, diz: não, este homem é bom!».

A história testemunha que «as pessoas escolhidas pelo Espírito Santo para dizer a verdade ao povo de Deus são perseguidas». E aqui o Papa recordou «a última bem-aventurança de Jesus: felizes aqueles que forem perseguidos por causa do meu nome»; «Jesus é o modelo, o ícone: sofreu muito e foi perseguido», «assumindo as perseguições do seu povo».

«Hoje os cristãos são perseguidos» «porque a esta sociedade mundana e tranquila que não quer problemas dizem a verdade e anunciam Jesus Cristo». Hoje nalguns países existe «até a pena de morte, a prisão por conservar o Evangelho em casa, por ensinar o catecismo!». «Um católico dessas regiões disse-me que é proibido rezar juntos! Só é possível rezar sozinho e escondido». Para celebrar a Eucaristia organizam «uma festa de aniversário!» para eludir a polícia!».

«A história de perseguições e incompreensões continua até hoje», pois este é também «o caminho do Senhor e de quantos o seguem», uma senda que «acaba sempre com a ressurreição, mas antes passa pela cruz», na certeza de que «Jesus é o Senhor» neste «desafio da nossa fé». O Papa concluiu pedindo ao Senhor «a graça de ir pelo seu caminho, até com a cruz da perseguição».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS