Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Oitenta mil velas

· A vigília de oração na praça de São Pedro ·

Setenta por cento das paróquias italianas – frisou o bispo Nunzio Galantino, secretário-geral da Conferência episcopal italiana – aderiram à iniciativa da Cei unindo-se espiritualmente à oração pelo Sínodo. Na praça de São Pedro, na noite de sábado, 4 de Outubro, havia cerca de oitenta mil pessoas que responderam ao convite do Papa Francisco para a vigília de oração na véspera do sínodo dedicado aos «Desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização». Uma oração que continuará: D. Galantino sublinhou que associações, movimentos e paróquias garantiram acompanhar espiritualmente, nos próximos dias, o trabalho dos padres sinodais.

Esperando a chegada do Papa, a vigília decorreu, por cerca de uma hora a partir das 18h00, com as leituras bíblicas, a transmissão de um vídeo com reflexões de Francisco sobre a família e três testemunhos concretos de vida familiar, entre realidades positivas, aberturas ao acolhimento mas também quedas e reconciliações. E assim Roberta e Antonio, de Benevento, narraram a sua experiência de namorados há quatro anos e o itinerário de preparação para o matrimónio cristão: «Somos a favor de um amor que vive de pequenas confirmações diárias para lançar as bases de um “sim” que para nós só pode ser único e indissolúvel». Em seguida, Margherita e Marco, casados há dezassete anos, de Novara, falaram da beleza de ter acolhido uma criança que lhe foi confiada temporariamente, juntamente com os seus quatro filhos. «Há quem diz – disseram – que “o amor não existe”, mas nós acreditamos que só a vida tem sentido pleno se nos deixarmos atravessar pelo amor recebido, e se o oferecermos ao nosso redor». Enfim, Anontella e Nicola, de Tivoli, que têm dois filhos, não esconderam a crise da sua história: com efeito, voltaram há pouco tempo juntos, depois de seis anos de separação, e quiseram testemunhar que, não obstante o adultério confessado publicamente por Nicola, «em Deus tudo é possível e que o “para sempre” n'Ele é recuperável».

O Papa chegou à praça pelo portão central da basílica. Depois da proclamação do trecho evangélico das bodas de Cana, o Papa proferiu a homilia. A invocação do Espírito Santo, o canto do Pai-Nosso e a acenção simbólica das sete lâmpadas marcaram a parte conclusiva da vigília enquanto às sete lâmpadas, num cenário sugestivo, se acrescentaram progressivamente as velas dos oitenta mil presentes.

O texto da homilia do Papa na vigília na praça de São Pedro

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

9 de Dezembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS