Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O urso do Papa

Na dedicação da paróquia romana de São Corbiniano — exemplar pela cura e participação dos fiéis, entre os quais muitíssimas crianças — estavam presentes três sucessores do fundador da diocese de Freising: além de Joseph Ratzinger, hoje Papa com o nome de Bento XVI, os cardeais Friedrich Wetter e Reinhard Marx. Um facto excepcional, que o pároco ressaltou na sua calorosa saudação inicial.

Na homilia o bispo de Roma, sucessor do primeiro dos apóstolos, improvisou uma breve reflexão sobre este monge francês, atraído pela vida contemplativa, que veio a Roma para fundar um mosteiro. Mas nesta cidade a vida mudou de modo inesperado: o Papa ordenou-o bispo para a Baviera, onde a população «queria tornar-se cristã, mas faltava gente culta, faltavam sacerdotes para anunciar o Evangelho».

A escolha de Gregório ii, que se revelou de universalidade — de facto, o santo «relaciona a França, a Alemanha e Roma — e ao mesmo tempo de unidade: Corbiniano diz-nos que «a Igreja está fundada sobre Pedro» e que era a mesma «de hoje». Por uma razão muito simples: Cristo é o memso, «a Verdade, sempre antiga e sempre nova, muito actual, presente, e abre para o futuro».

Falando aos fiéis Bento XVI mencionou o urso que escolheu colocar no seu brasão, episcopal e depois papal. Joseph Ratzinger tinha escrito sobre ele pela primeira vez no livro autobiográfico, tão pequeno quão precioso, que publicou no seu septuagésimo ano e no qual recolheu as suas recordações até à consagração episcopal. Narrando como o monge impôs ao animal, que tinha devorado o cavalo de Corbiniano em viagem para Roma, de carregar o seu fardo.

Ratzinger, nas pegadas do predilecto Agostinho, explicava que aquele peso — a carga episcopal de quem «puxa a carroça de Deus neste mundo» — foi imposto a Corbiniano e ao bispo africano, ambos atraídos pela contemplação e pelo estudo. «Mas precisamente deste modo eu estou próximo de ti, sirvo-te, tu tens-me na mão», concluía o cardeal já em Roma. Confiando-se ao único Senhor, como faz todos os dias Bento XVI. Que permanece sempre muito afeiçoado ao seu urso.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS