Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O trabalho fonte de dignidade

· Durante a catequese dedicada ao sacramento da confirmação o Papa dirigiu um apelo a favor dos trabalhadores em crise ·

O trabalho não deve faltar. É «fonte de dignidade». Portanto, deve ser a «preocupação central de todos», sobretudo das «instâncias competentes», fazer com que não falte a ninguém. Foi o novo e urgente apelo do Papa Francisco em defesa dos trabalhadores lançado na manhã de quarta-feira 29 de Janeiro, durante a audiência geral na Praça de São Pedro. A ocasião foi-lhe oferecida pela presença de algumas famílias de operários empregados numa fábrica da região da Toscana em grave dificuldade. Dificuldade que muitas vezes acaba por arrastar precisamente as famílias no remoinho dramático da usura.

Um perigo que se manifestou casualmente em toda a sua dramaticidade com a presença na audiência de um grupo de vítimas dos usurários. Portanto, pareceu quase natural a ligação das palavras dirigidas pelo Papa Francisco às famílias dos operários em crise com a dura condenação da usura. «Quando uma família não tem o que comer – disse o Pontífice – porque deve pagar a hipoteca ao usurário» estamos perante algo que «não é cristão, não é humano!», mas que ao contrário é «uma dramática chaga social que fere a dignidade inviolável da pessoa humana».

Pouco antes o Santo Padre tinha desenvolvido uma reflexão sobre o sacramento da confirmação. Um sacramento, disse, que talvez não seja suficientemente valorizado. Ao contrário, «é tão importante na vida cristã», porque «nos dá a força para ir em frente», reafirmou. Com a confirmação, unida ao baptismo e à Eucaristia, explicou, completa-se aquele único evento salvífico que «se chama “iniciação cristã” através do qual «tornamos criaturas novas e membros da Igreja». Um evento ao qual a presença do Espírito Santo e das suas dádivas não é alheia. E a este propósito, o Papa Francisco anunciou que dedicará exactamente aos sete dons do Espírito Santo as reflexões propostas durante as audiências gerais, logo depois de concluir as dedicadas as sacramentos.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS