Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O sonho de Deus

· Na audiência à Rota romana o Papa auspicia uma preparação mais adequada para o matrimónio e pede proximidade às famílias feridas ·

«A família, fundada sobre o matrimónio indissolúvel, unitivo e procriativo, pertence ao “sonho” de Deus e da sua Igreja»: reafirmou o Papa inaugurando na manhã de sexta-feira, 22 de Janeiro, o ano judiciário da Rota romana. Na Sala Clementina, durante a audiência ao decano e aos prelados do antigo tribunal, Francisco evocou a actualidade da sua missão, «que adquire particular relevância no nosso tempo».

Ao frisar a dúplice prerrogativa da Rota romana como «tribunal da família» e «tribunal da verdade do vínculo sagrado», o Pontífice evidenciou que a Igreja é chamada a «mostrar o indefectível amor misericordioso de Deus para com as famílias, em particular as feridas pelo pecado e pelas provações da vida» e ao mesmo tempo «a proclamar a verdade irrenunciável do matrimónio segundo o desígnio» divino.

Depois de ter recordado o «percurso sinodal sobre o tema da família» realizado nos últimos dois anos, o Papa evidenciou que através dele foi «possível realizar, com espírito e estilo de colegialidade efectiva, um aprofundado discernimento, graças ao qual a Igreja indicou ao mundo que não pode existir confusão entre a família querida por Deus e qualquer outro tipo de união». Portanto, recomendou ao colégio a «mesma atitude espiritual e pastoral, quer ao julgar, quer ao contribuir para a formação permanente», tendo em conta que também «quantos, por livre escolha ou por circunstâncias infelizes, vivem num estado objectivo de erro, continuam a ser objecto do amor misericordioso de Cristo e da Igreja». Reafirmado o magistério dos predecessores sobre o argumento, Francisco acrescentou que a Igreja «continua a propor o matrimónio não como um ideal para poucos, não obstante os modelos modernos centrados sobre o efémero e o transitório». Daqui «a urgência pastoral» de uma «preparação adequada para o matrimónio», com o auspício de «uma espécie de novo catecumenado».

Discurso do Papa à Rota romana


Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS