Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O que sonha um pobre

· Audiência do Papa à peregrinação jubilar das pessoas excluídas ·

Os pobres ensinam ao mundo a solidariedade e recordam que nunca se deve perder a capacidade de sonhar, afirmou o Papa Francisco dirigindo-se a milhares de pessoas socialmente excluídas que na manhã de sexta-feira, 11 de novembro, participaram na peregrinação jubilar na Sala Paulo VI.

Promovido pela associação francesa Irmão, o encontro foi marcado pelos testemunhos de dois pobres, que ofereceram ao Pontífice a inspiração para uma reflexão – improvisada – que partiu de duas palavras-chave: paixão e sonho.

Para Francisco, quando as pessoas já não conseguem apaixonar-se tornam-se interiormente mais miseráveis. Daqui o convite a não deixar de sonhar e a cultivar sempre o desejo de que o mundo possa mudar. Aliás, recordou o Papa, a pobreza é o coração do Evangelho. E só quem está ciente de que não possui muito, pode continuar a olhar para as alturas e sonhar.

Às pessoas excluídas o Pontífice fez votos que sejam homens e mulheres com paixão e sonhos, pedindo-lhes que ensinem todos a sonhar a partir da mensagem evangélica. Nisto encerra-se a dignidade de cada ser humano, em particular de quem é obrigado a viver na indigência: podemos ser pobres, afirmou Francisco, mas nunca explorados nem escravos, porque isto significaria perder a dignidade.

Na escola dos marginalizados aprende-se também a solidariedade, ou seja – explicou o Papa – a força de estender a mão a quem vive numa situação de dificuldade maior. Uma atitude que proporciona alegria interior e paz. Aquela paz que, segundo o Pontífice, hoje está ameaçada a nível planetário pela guerra, a maior pobreza por causa da qual o mundo sofre. Não é por acaso que, nas raízes dos conflitos há sempre um desejo de conquista, de expansão, de enriquecimento. Eis por que é necessário que cada religião se torne artífice e mensageira de paz. Francisco reafirmou-o com força antes de concluir o encontro, pedindo perdão aos pobres por todas as vezes que os cristãos preferiram virar a cara diante das situações de pobreza.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS