Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O Papa no Reino Unido para beatificar John Henry Newman

· Programa da viagem apostólica que será realizada de 16 a 19 de Setembro ·

No dia 18 de Agosto, foi apresentado na Sala de Imprensa da Santa Sé o programa definitivo da viagem apostólica que o Papa realizará de 16 a 19 de Setembro na Grã-Bretanha.

Na sua 17ª viagem internacional, que terá como tema Cor ad cor loquitur, «O coração fala ao coração» – inspirado no lema cardinalício de John Newman – Bento XVI visitará quatro cidades: Edimburgo, Glasgow, Londres e Birmingham. São previstos 16 discursos, incluídas as homilias e as saudações. «O programa é muito rico, intenso e articulado», comentou o director da Sala de Imprensa, o jesuíta Federico Lombardi, falando sobre os momentos mais importantes da visita ao microfone da Rádio Vaticana, começando pelo encontro com a rainha Isabel ii, programado para a manhã de quinta-feira, 16 de Setembro.

O Papa partirá do aeroporto de Roma-Ciampino por volta das 8 horas, chegando ao aeroporto internacional de Edimburgo às 10h30, onde terá lugar a recepção oficial. Em seguida, irá ao palácio de Holvroodhouse para a cerimónia de boas-vindas. Sucessivamente visitará a rainha: um momento – explicou Pe. Lombardi – que «se espera com grande intensidade e emoção». No final, no parque do palácio real, o Pontífice pronunciará o primeiro discurso, dirigindo-se às autoridades do país. A manhã concluir-se-á com o almoço na residência arquiepiscopal.

À tarde, Bento XVI transfere-se para Glasgow, onde presidirá à primeira missa da viagem no Bellahouston park. Será um momento de oração e espiritualidade muito importante para os católicos do país, inclusive porque nesse dia se comemora a festa de São Ninian, padroeiro e evangelizador da Escócia. Depois da celebração, o Papa partirá para Londres.

Na sexta-feira o Pontífice inicia o dia com a celebração em particular da missa na capela da nunciatura apostólica em Wimbledom. Às 10h.00 realiza-se o encontro com o mundo da educação católica no país, na capela e no campo desportivo do Saint Mary's university college, em Twickenham. Logo após, na Waldegrave drawing room do mesmo colégio, Bento XVI pronunciará um discurso aos chefes e aos responsáveis das outras comunidades religiosas presentes no país.

A visita ao arcebispo de Canterbury, no Lambeth palace, abrirá a tarde de sexta-feira. Às 17h.00 a viagem terá um dos seus momentos mais significativos com o encontro entre o Papa e os representantes da sociedade civil, do mundo académico, cultural e empresarial, os membros do corpo diplomático e os líderes religiosos, no Westminster hall. Será uma ocasião de reflexão para todos os componentes mais activos da sociedade inglesa, aos quais o Pontífice dirigirá um discurso de grande alcance, que tocará os temas actuais da vida social e cultural do Reino Unido. Também a celebração ecuménica em seguida, que terá lugar na Westminster abbey, constituirá um momento importante de análise e de diálogo nas relações entre a comunidade católica e a comunhão anglicana.

O encontro com o primeiro-ministro David Cameron, no palácio arquiepiscopal, será o primeiro de uma série de colóquios que, na manhã de sábado 18 de Setembro, Bento XVI terá com os maiores representantes políticos ingleses. Depois do premier o Papa encontra-se-á com o vice-primeiro-ministro Nick Clegg e com o líder da oposição. Às 10h.00 celebrará a missa na catedral do Preciosíssimo sangue de nosso Senhor Jesus Cristo.

À tarde, depois da visita à casa de repouso St Peter's residence, o momento central da viagem – a beatificação do cardeal Newman – terá um prólogo sugestivo na vigília de oração que Bento XVI presidirà no Hyde park. No seu discurso o Papa antecipará os temas espirituais e pastorais da homilia do dia seguinte, domingo 19 de Setembro – quando, depois da despedida na nunciatura apostólica, partirá em helicóptero do heliporto de Rednal para Birmingham, onde celebrará a missa e proclamará beato o grande pensador e teólogo.

A manhã de domingo concluir-se-á com a visita ao oratório de São Filipe Neri, em Edgbaston, e o almoço com os bispos da Inglaterra, Gales e Escócia, e com os membros do séquito papal no refeitório da Francis Martin house do Oscott college. Aos mesmos prelados o Papa dirigirá um discurso durante o encontro previsto à tarde, antes de ir para o aeroporto internacional de Birmingham, onde terá lugar a cerimónia de despedida. A partida está prevista para às 18h.45 e a chegada ao aeroporto romano de Ciampino às 22h.30.

Por conseguinte, o Reino Unido prepara-se para receber Bento XVI após quase 30 anos da precedente visita de João Paulo II, que se realizou de 28 de Maio a 6 de Junho de 1982. «As viagens deste ano do Santo Padre, Malta, Portugal, Chipre – evidenciou o Pe. Lombardi – foram muito positivas. Esperamos que também esta seja deveras uma manifestação da beleza e da positividade do serviço do Santo Padre na sociedade, ainda mais neste tempo em que tivemos também momentos de contestação. O desejo é de poder representar com eficácia o lado positivo, fundamental que a Igreja dá à sociedade de hoje, uma sociedade moderna e pluralista, e pode-se dizer também secularizada, que não esqueça mas ao contrário saiba apreciar de modo novo o contributo positivo que a fé oferece».

Enfim, quanto aos aspectos mais estreitamente organizativos, devemos assinalar que um ulterior esclarecimento, por parte do director da Sala de Imprensa da Santa Sé, sobre a questão dos «bilhetes» previstos para participar nalguns eventos da visita, como na vigília de oração no Hyde park. O coordenador da viagem papal, mons. Summersgill, recentemente tinha explicado que se trata na realidade de uma contribuição não obrigatória para os fiéis. O Pe. Lombardi esclareceu que «os empenhos organizativos da visita naturalmente são de quem convida» e, consequentemente, «o Vaticano nada estabeleceu neste sentido». Trata-se – explicou – «de modalidades organizativas enfrentadas pela Igreja local, considerando os muitos vínculos de carácter organizativo impostos pelas autoridades civis».

Neste sentido, os eventos públicos principais da visita prevêem a predisposição de meios de transporte aptos para a transferência de uma grande massa de fiéis e a realização de medidas de segurança adequadas, entre as quais um pass especial e um pequeno kit logístico para cada participante. Eis os motivos do pedido de uma pequena contribuição a cada grupo que se organiza para participar no evento.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS