Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O Papa está da parte das vítimas

· Vergonha e dor do Papa pelo escândalo dos abusos na Pensilvânia ·

«As vítimas têm que saber que o Papa está da parte delas. Quantos sofreram são a prioridade, e a Igreja quer ouvi-los para erradicar este trágico horror que destrói a vida dos inocentes». É clara e forte a posição da Santa Sé face à dramática e perturbadora realidade que emerge do relatório sobre os abusos sexuais contra os menores cometidos por eclesiásticos, publicado pela procuradoria da Pensilvânia. Em mais de 1300 páginas, fruto do trabalho de averiguação realizada durante quase dois anos por um júri, são documentados casos que em setenta anos envolveram 301 sacerdotes e mais de mil vítimas em seis das oito dioceses do Estado.

Numa declaração dada a conhecer na tarde de ontem, 16 de agosto, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, garantiu que «o Santo Padre compreende bem como estes crimes podem abalar a fé e o espírito dos crentes e reafirma o apelo a fazer todos os esforços para criar um ambiente seguro para os menores e os adultos vulneráveis na Igreja e em toda a sociedade».

«Vergonha e dor» são as palavras utilizadas pela declaração para «expressar quanto se sente diante destes crimes horríveis». Por seu lado a Santa Sé considera «com grande seriedade» o trabalho da Investigating Grand Jury da Pensilvânia e o longo Interim Report a que ele levou, e «condena inequivocamente o abuso sexual contra menores». Em particular, «os abusos descritos no relatório são penal e moralmente condenáveis», porque tais ações «atraiçoaram a confiança e roubaram às vítimas a sua dignidade e a sua fé. A Igreja deve aprender duras lições do passado e que deveria haver uma responsabilização por parte quer de quantos abusaram, quer de quantos permitiram que isso acontecesse».

Ao recordar que «a grande parte do que se lê no relatório se refere aos abusos anteriores aos primeiros anos de 2000» e que as sucessivas «reformas feitas pela Igreja católica nos Estados Unidos reduziram drasticamente a incidência dos abusos cometidos pelo clero», a declaração reafirma que «a Santa Sé encoraja constantes reformas e vigilância a todos os níveis da Igreja católica a fim de garantir a proteção dos menores e dos adultos vulneráveis». E «frisa a necessidade de obedecer à legislação civil, incluída a obrigação de denunciar os casos de abusos contra menores».

Foi imediata e firme também a reação do cardeal Daniel N. DiNardo, presidente da Conferência episcopal dos Estados Unidos da América, que falou sem rodeios de «tristeza, indignação e vergonha». Servem uma «conversão espiritual – disse – mas também mudanças práticas para evitar que se repitam os pecados e as falências do passado que são tão evidentes». O comité executivo da Conferência episcopal, explicou o cardeal, «estabeleceu um esquema destas mudanças necessárias», indicando «três objetivos: uma averiguação sobre as dúvidas que circundam o arcebispo McCarrick; uma abertura de canais novos e reservados para a comunicação de denúncias contra os bispos; e um apoio para uma resolução mais eficaz das futuras denúncias». Objetivos, esclareceu, que devem ser alcançados com «independência adequada, autoridade suficiente e liderança substancial por parte dos leigos». Este projeto concreto será apresentado precisamente quer ao episcopado norte-americano quer à Santa Sé.

«O objetivo principal do plano – recordou o cardeal DiNardo, ao qual fizeram eco também outros prelados norte-americanos – é uma maior proteção contra os predadores na Igreja e contra quem quer que os esconda; proteções que obrigarão os bispos aos padrões mais altos de transparência e responsabilidade». Por fim, o presidente da Conferência episcopal pediu «humildemente perdão por aquilo que os meus irmãos bispos e eu fizemos ou não fizemos». A confiança nos pastores «foi danificada por pecados e falências», reconheceu, e será preciso tempo para a reconstruir. E nesta falência trágica, afirmou com amargura, estão envolvidos também «os numerosos sacerdotes que procuram a santidade e vivem o seu ministério com integridade».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS