Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O instinto da mãe cegonha

Entre os danos registados depois do incêndio da câmara municipal de Brunete, pequeno centro a trinta quilómetros de Madrid, está também o drama de uma família de cegonhas, que tinha construído a sua casa no tecto do edifício. Quando o ninho foi queimado pelas chamas – narrou «La Razón» – o pai cegonha, seguindo o instinto de preservação, voou embora. A mãe, ao contrário, procurou de todas as formas salvar os dois filhotes, queimando grande parte das penas: com efeito as pequeninas cegonhas, nascidas há pouco mais de um mês, ainda não estavam em condições de voar, e assim a mãe cegonha, arrastando-as com o bico, procurou tirá-las do ninho em chamas. Infelizmente só uma das duas conseguiu sobreviver. O pequenino sobrevivente, rebaptizado Brunete pelos habitantes da pequena cidade, foi adoptado como mascote juntamente com a mãe coragem que desafiou o fogo para proteger a sua ninhada.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS