Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O grito da terra e dos pobres

· O Papa Francisco invoca responsabilidade e diálogo para alcançar acordos globais sobre o meio ambiente ·

«Uma aliança autêntica para alcançar acordos ambientais globais realmente significativos»: é a proposta lançada pelo Papa Francisco «diante da emergência das mudanças climáticas» e em vista dos «encontros cruciais» dos próximos meses, em especial a aprovação dos objectivos de desenvolvimento sustentável por parte da Onu e da Conferência de Paris.

O Pontífice falou sobre isto recebendo em audiência na manhã de 11 de Setembro, na sala Clementina, os participantes no encontro sobre «Justiça ambiental e mudanças climáticas» promovido pela Fundação para o desenvolvimento sustentável. «Neste percurso — garantiu aos presente — podeis contar com o meu apoio pessoal e de toda a Igreja, a partir do indispensável da oração. Desde já ofereço ao Senhor o nosso esforço comum, para que a humanidade saiba enfim ouvir o grito da terra» dado que — especificou com uma consideração acrescentada ao texto preparado — «hoje a nossa terra mãe está entre os tantos excluídos que clamam ao Céu por uma ajuda!». Com efeito, só assim «a criação se aproximará cada vez mais da casa comum que o único Pai imaginou como dom para a família universal das suas criaturas».

Precedentemente, Francisco recordou que hoje «o clima é um bem comum gravemente ameaçado», como testemunham «o aquecimento global e o aumento de eventos meteorológicos extremos. São temas — comentou — objecto de grande atenção por parte dos mass media e da opinião pública, e sobre os quais se promovem vigorosos debates científicos e políticos, dos quais emerge um consenso generalizado, embora não unânime». Depois, exortou a «não esquecer as graves implicações sociais das mudanças climáticas», visto que «são os mais pobres que sofrem com maior dureza as suas consequências». Por isso — concluiu, denunciando que «aqui o grande inimigo é a hipocrisia» — trata-se de uma questão de justiça e de solidariedade, na qual «está em jogo a dignidade de cada um».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS