Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O escândalo da fome

· O Papa condena a indiferença do mundo e as lógicas especulativas que geram pobreza ·

Apelo a pôr fim às violências e discriminações na Síria e na terra Santa

A denúncia do Papa é pesada: a abundância da produção total de alimentos permitiria dar de comer a todos os homens. Não obstante, ainda hoje, milhões de pessoas sofrem e morrem de fome. Este é «um verdadeiro escândalo», em relação ao qual há a indiferença mais absoluta  em nome daquelas lógicas especulativas que geram pobreza.

Dirigindo-se na manhã de quinta-feira, 20 de Junho, aos participantes na trigésima oitava conferência da Organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura (Fao), recebidos em audiência na Sala Clementina, o Papa indicou quem de várias formas se torna responsável deste escândalo: os que usam a «especulação financeira» como factor de condicionamento do «preço dos alimentos»; todos os que fizeram promessas aos pobres e depois não as mantiveram; aqueles que provocam «o desenraizamento de pessoas, famílias e comunidades do seu ambiente»,  um dos efeitos mais preocupantes das graves crises alimentares, das «calamidades naturais» e dos «conflitos sanguinolentos».

«Trata-se de um quadro que impõe que seja empreendida uma séria e consciente obra de reconstrução que compete também à Fao», admoestou o Pontífice referindo-se à «reforma empreendida para garantir uma gestão mais funcional,  transparente, equitativa» da organização da Onu. Segundo o Papa, «qualquer reforma verdadeira consiste em adquirir maior consciência da responsabilidade de cada um, reconhecendo que o próprio destino está ligado com o dos outros».

Mais tarde, ao receber os membros da Reunião obras de ajuda às Igrejas orientais (Roaco), o Papa Francisco dirigiu um novo apelo para que  se ponha fim a qualquer violência e discriminação na Síria e em toda a Terra Santa. «O confronto que semeia morte – disse – deixe espaço ao encontro e à reconciliação que leva à vida». Por fim exortou quantos sofrem e nunca perderem a esperança.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS