Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O diálogo antídoto contra a violência

· Em preparação para o quinto congresso dos líderes das religiões mundiais e tradicionais ·

Decorre a ritmo acelerado a preparação do quinto congresso dos líderes das religiões mundiais e tradicionais, programado para o próximo mês de Junho em Astana, no Cazaquistão. 

Uma iniciativa que nasceu no Vaticano, durante uma visita do presidente da República cazaque, Nursultan Nazarbayev, a João Paulo II. Naquela ocasião o presidente pediu que a Santa Sé apoiasse o seu país a fim de empreender uma iniciativa de diálogo entre as religiões. Pedido acolhido imediatamente: com efeito, a Igreja não só toma iniciativas de diálogo, mas as encoraja e apoia quando se dá conta da sua bondade. Depois da garantia do Pontífice e graças às indicações do cardeal secretário de Estado, o Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso enviou ao país centro-asiático o chefe de gabinete para o islão. Foi o início de uma colaboração que continua de forma estreita. É testemunho disto não só a participação do representante do dicastério nos trabalhos do secretariado, mas também naqueles do grupo de trabalho que tiveram lugar em Astana no passado mês de Setembro.

Khaled Akasheh, Chefe de gabinete para o islão do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

15 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS